Artigo

Com queremismo, Wagner busca retomar rédeas da sucessão de 2022

[Com queremismo, Wagner busca retomar rédeas da sucessão de 2022]
28 de Outubro de 2019 às 09:11 Por: Victor Pinto* 0comentários


Não, Jaques Wagner não tem demonstrado um pingo de interesse real de retornar ao comando do governo do Estado. O movimento é outro, por mais que os mais próximos do senador neguem, há uma inclinação para o petista assumir o controle da sucessão de 2022 e baixar a bola dos aliados mais ensaiados pelo poder.

O Queremismo, pelo que aprendi nas minhas leituras de Thomas Skidmore, foi um movimento de 1945 que buscava dar continuidade à presidência de Getúlio Vargas no Brasil. A ação dos aliados fervorosos, eleitores e políticos mais achegados tinha o slogan “Queremos Getúlio”, o que acabou batizando o movimento. Não vingou, mas ficou marcado na história.

No último Congresso Estadual do PT, na Escola de Arquitetura, o que se viu foi justamente isso, os petistas ecoando a palavra “Governador” quando Jaques Wagner fora anunciado. O novo cabelo branco da Bahia falou com sorriso no rosto: “já entendi o recado”.

Na mesa estavam membros de vários partidos da coalizão, principalmente João Leão, vice-governador, manda chuva do PP e um dos que têm pleiteado a vaga principal da futura chapa majoritária do governo. Na saída, o questionei sobre o fato, o pepista saiu pela tangente e disse que todos têm o direito de apresentar seus nomes.

O assunto de apaziguar a composição, pois Wagner é um dos pouquíssimos nomes de consenso no atual cenário, surge também no processo de quebra de naturalização construída ao nome do senador Otto Alencar para o posto.  

Numa entrevista com o presidente estadual do PT, Éden Valadares, ao BNews, quando o questionei se o movimento seria um balão de ensaio, o petista negou veemente. Chamou atenção para as qualidades e o currículo do seu assessorado e falou que ele nunca se prestaria a esse papel. Não sei. Tenho minhas dúvidas.

A unção de Éden ao posto maior da sigla baiana reforça a tese da volta do comando da articulação para Wagner como ponto central de toda construção futura. Sentar com os partidos e conduzir a composição. Segurar o protagonismo do PT, apesar dos desgastes de anos no poder que isso poderá provocar. A experiência, a aceitação popular, a composição de figura de Rui, a herança do lulismo, a habilidade de negociar com situação e oposição lhe dão totais credenciais para tal. Por mais que não tenha ficado inerte nos últimos tempos, volta ao poder de cacique mor.

O atual governador não ficaria neutralizado das medidas e tem força para colocar voz e voto na articulação, mas tem sonhado o sonho de Ícaro para voar à presidência da República, percebido em seus discursos nas entrevistas para veículos nacionais, como o Central Globo News recentemente. Caso não seja alçado, tem todo o direito de pleitear o Senado, o que provocaria um rearranjo denso na futura chapa de 2022.

Os aliados acompanham de perto a questão, contudo, há uma eleição no meio do caminho. Tudo ocorre dentro da previsibilidade do percurso, mas como política é nuvem, daqui uns dias tudo pode tá de outro jeito.

Autor

[Victor Pinto ]

Victor Pinto

Editor do BNews, jornalista formado pela Ufba, especialista em gestão de empresas em radiodifusão e estudante de Direito da Ucsal. Atua na cobertura jornalística e na área administrativa de rádios em Salvador. Twitter: @victordojornal

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Leia os termos de uso

jusnews

Na Sombra do Poder

PodCast

Mais Lidas