Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Eleições

Transfóbicos frustrados

[Transfóbicos frustrados]
16 de Novembro de 2020 às 10:32 Por: Divulgação Por: José Medrado

Apesar de o Brasil ser o país mais transfóbico do mundo,  dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), informa que neste ano houve um número recorde de pessoas transgêneras que concorrem a uma vaga seja para prefeituras ou para as câmaras de vereadores. São mais de 270 candidaturas de pessoas trans confirmadas ― em chapas de partidos da esquerda à direita ―, mais que o triplo de 2016, quando 89 pessoas trans concorreram.

Um avanço significativo, uma vez que uma onda – não a chamo de conservadora -, de visão retrógrada buscou formar conceitos homofóbicos por todos os lados, onde vimos, por consequência, um aumento crescente de violência contra pessoas das mais variadas orientações sexuais, que fugiam ao manual imposto por agressores ao direito cidadão das pessoas se definirem como quiserem, dentro do ordenamento constitucional e jurídico do nosso país, da nossa democracia. 

Em Curitiba (PR), por exemplo, foi a primeira vez em que uma mulher trans concorre a uma cadeira no Executivo. Aos 68 anos, a psicanalista e socióloga Letícia Lanz, do PSOL, tentou se eleger prefeita da capital paranaense, encabeçando uma chapa 100% feminina, com a advogada Giana de Marco como sua vice. É a única candidata trans que disputou uma prefeitura nas capitais brasileiras.

O brilho maior, no entanto, ficou com a eleição da educadora Linda Brasil (PSOL), 43 anos. Eleita em primeiro lugar como vereadora de Aracaju. Ela será a primeira mulher trans a ocupar um cargo político em Sergipe.

Com 5.773 votos, Linda vai compor a câmara de vereadores de Aracaju junto com outros 23 eleitos. Naturalmente, aqui não entro em mérito de qualificação, competência dos eleitos em função do seu gênero, claro que não, mas penso ser, sim, uma caminhada para frente, diria, inclusive, ser definição de valor, repito, de cidadania e até mesmo cristão.

Infelizmente, muitos têm se apoiado nessa argumentação infeliz e sem lógica real na Bíblia, para ofender, desqualificar...considerando que em parte alguma Jesus segregou, afastou de Si a qualquer. Salvo, de outra parte, os sepulcros caiados. Exatamente os que clamam: Senhor! Senhor! Mas que vivem em função de outros senhores, não o que usam como marketing de hipocrisia. 
 

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso