Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

BNews Folia

2022 é logo ali: podemos aprender com os erros e acertos?

[2022 é logo ali: podemos aprender com os erros e acertos?]
19 de Novembro de 2020 às 19:00 Por: Arquivo Pessoal Por: Heraldo Rocha e Fábio Rocha

As eleições de 2020 ainda não terminaram em alguns municípios do Brasil e da Bahia, mas, já podemos aprender com os erros e acertos de mandatos e campanhas de muitos Prefeitos e Vereadores.

Por ser uma eleição inédita em suas características, precisamos ter cuidados em estabelecer paradigmas de sucesso ou fracasso, mas, esta eleição trouxe ainda mais forte sinais da “nova” forma de fazer politica.

Apesar de diferenças absurdas e desproporcionais entre as eleições para Prefeito e para vereador, como também das capitais para o interior, algumas lições e aprendizados podem ser comuns.

Uma das primeiras questões é notar que a abstenção, somado aos votos brancos e nulos é uma crescente e cada vez menos as pessoas estão estimuladas em votar em algum candidato. Na cidade do Rio de Janeiro, por exemplo, mesmo com uma eleição bem disputada entre Eduardo Paes e Crivella, tivemos um percentual de mais de 40%%, entre abstenção, brancos e nulos.

Outra grande lição é que o período de campanha politica não recupera um mandato ausente ou ruim, ou viabiliza um candidato desconhecido. Campanha politica não faz milagre e quem quer se eleger precisa trabalhar muito, inclusive politicamente, com muita antecedência.

Isto é reforçado pela evidência que uma boa gestão pública pesa e muito, como por exemplo, na vitória esmagadora e incontestável de Bruno Reis em Salvador, a maior vitória de Prefeitos no Brasil, sendo também um reconhecimento eleitoral a apoteótica gestão do Prefeito ACM NETO.  

Outro fato marcante da eleição de 2020 é que a campanha politica no mundo digital fez e faz cada dia mais diferença e está muito além da simples presença nas redes sociais. Em Macarani, município do médio Sudoeste na Bahia, a vitória de Selma Souto, por exemplo, nos propiciou programas de rádio com gravações circulando no whatsapp, lives temáticas de saúde, educação, empreendedorismo, agronegócio e juventude e peças de comunicação de altíssimo nível. 

A atuação forte e criativa do Prefeito na pandemia também deu seus frutos, como foi o caso do Prefeito reeleito, Vinicius Ibrann, com quase 75% de votos válidos, na cidade de Buerarema no Estado da Bahia.

Com estes primeiros elementos aqui observados, nos chama atenção alguns erros e acertos que diferenciam os vencedores dos perdedores na eleição de ontem, 15 de novembro de 2020.

O primeiro e maior erro, é que alguns erros são fatais e pesam mais que outros. Por exemplo, a falta de planejamento, estratégia e gestão profissional da campanha, não podem ser substituídas pelo poder do recurso financeiro. Vimos alguns candidatos com campanhas bem abastadas perderem eleição para Prefeitos com mandatos bem desgastados.

O segundo erro, é acreditar que apenas o voto de opinião ou de um segmento elege um vereador. Sem trabalho de base e serviços prestados, fica muito difícil se eleger.

O terceiro erro é que tem vereador que não sabe aproveitar o mandato ou até a ocupação de funções executivas em uma gestão bem avaliada, perdendo eleição ou reduzindo em muito sua votação em relação ao mandato anterior. Será que o mandato atrapalha a eleição? Claro que não.

Um primeiro grande acerto ainda é o da organização, disciplina, estratégia e foco, seja no mandato ou na campanha politica. Elementos ainda renegados pela maior parte do mundo politico.

Um segundo acerto é que os aspectos tradicionais da campanha politica ainda são muito fortes, principalmente no interior. Movimento, mobilização, jogar com a emoção, criar clima de BA-VI corpo a corpo são insubstituíveis.

Um terceiro acerto são os candidatos novos que se mostraram como realmente novos, ou seja, através de conteúdo, propostas, formas de mobilização diferenciada e temáticas ainda pouco trabalhadas pelos políticos tradicionais. Veja, por exemplo, o novo vereador eleito em Salvador, André Fraga, que fez uma campanha totalmente inovadora na essência, no conteúdo e na forma. 

É lógico que não existe “receita de bolo” para se ganhar eleição e que elementos improváveis podem até influir positivamente na eleição, como foi o caso do Prefeito eleito em Itabuna, Augusto Castro, que ficou quase 50 dias afastado na pré-campanha por razões de saúde, mas existe sim uma receita perfeita para se perder eleição. 
E você que é candidato a Deputado Estadual, Federal, Senador e/ou Governador em 2022, acorde, a politica está mudando cada vez mais e você precisa aprender também com estes erros e acertos aqui comentados.

2022 é logo ali e começa agora. 

 

Heraldo Rocha
Médico, Gestor Público, Ex-Deputado Estadual e Mentor nas áreas de Gestão Pública/Politica Eleitoral

Fábio Rocha
Treinador Comportamental, Consultor, Palestrante, Professor e Especialista em Carreira, Liderança e Cultura Organizacional

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso