Artigo

Mediocridade em alta

[Mediocridade em alta]
25 de Janeiro de 2021 às 10:42 Por: José Medrado

É realmente impressionante como estamos vendo a mediocridade crescer neste mundo afora. Falo dos que de tudo dizem entender, transformando-se em opinadores “acadêmicos” por maldade ou por uma, talvez, adesão de onda. Fingir que sabe, porque ouviu falar, em especial, de quem se admira se torna um valor em si mesmo, que não pode ser contestado, se alguém o faz, a resposta é totalmente disparatada, sem qualquer nexo com o que se está conversando, geralmente, usando comparações que se antagonizam aparentemente na forma, mas não na maneira de ser, no conteúdo.  A mediocridade leva todos a subordinarem qualquer tipo de deliberação a modelos arbitrários promovidos por instâncias de autoridade, ou tidas como tais. Assim, a mediocridade é um tipo de droga socialmente aceita, que vai em onda envolvendo por seus conceitos “de ouvir falar”, transformando-se em verdades, ou melhor em narrativas que não podem se contestadas, pois se forem, não surgem a dialética, mas a agressão do divisionismo, que pode ser violento ou cínico. 

Estamos vivemos tempos onde os medíocres são aclamados por sua excelência e saber, geralmente super secretos, que só eles têm conhecimento; onde os ignorantes, no sentido preciso da palavra, são chamados de influenciadores (há os que dominam o que falam, exceções), inclusive culturais, comportamentais. Tempo em que se criam narrativas que adquirem categoria de verdade, apesar de se negarem a própria existência de uma verdade, proclamada há séculos, ou afirmadas pelas mentes mais geniais do mundo. 

Geralmente, essas pessoas não guardam escrúpulos para reforçarem seus “conceitos” e “descobertas” sobre mentiras que sabem criadas, apenas para confundir, marcar posições, pregar para convertidos e converter os que são sem opinião. E não se trata de apenas pessoas sem maiores conhecimentos acadêmicos, não. Foi o que vimos semana passada, quando a enfermeira capixaba Nathanna Faria Ceschim divulgou um vídeo,  em seu Instagram, em que a profissional dizia ter tomado a vacina contra o novo coronavírus só para poder viajar. Nathanna trabalha na linha de frente contra a covid-19 e recebeu a dose da CoronaVac, afirmando ainda que aquilo era só água. Fico surpreso porque esse pessoal se acha contra o saber de todo um mundo. São pessoas que sabem a “verdade”, sem saber muito de nada, isto sim é a verdade. 

No entanto, há muita gente aí interpretando papel de medíocre, porque interessa de alguma forma e para algum tento. No entanto, vão fazendo escola... 

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar