Na Sombra do Poder

Na Sombra do Poder: Não confundam

[Na Sombra do Poder: Não confundam]
Por: BNews Por: Editoria de Política 0comentários

Não confundam

O presidente da Câmara de Salvador, vereador Geraldo Júnior (SD), tem empregado um novo perfil nas sessões da Casa e surpreendido, inclusive. Esta semana disparou para os pares em alto e bom som: “As pessoas confundem liberdade com libertinagem, mas precisamos dar respostas à sociedade. Aqueles que tentam trazer balbúrdia às votações não vão prosperar e aviso que, se não entrarem em consenso, vai prevalecer a voz do presidente”.

Vodca ruim
A briga entre Alexandre Aleluia (DEM) com um dos assessores de Cezar Leite (PSDB) é antiga. Esta coluna recebeu a informação de que a pessoa em questão, antes de migrar para o ninho do tucano, saiu brigada com todos do gabinete do democrata. "A raiva dela com Aleluia é porque foi posta para fora e ela estava achando que seria o nome para o DNOCS", relata a fonte. Pxiii...

Fora do armário
Com a proximidade da eleição de 2020, vereadores da bancada evangélica estão "saindo do armário". Cátia Rodrigues (PHS), que quase não abre a boca na Câmara Municipal de Salvador, agora está toda serelepe em seus discursos polêmicos em defesa de Bolsonaro e contra o Estatuto da Igualdade Racial. Já Lorena Brandão (PSC), que já havia causado polêmica com palestinos após celebrar os 71 anos da criação do Estado de Israel em sessão especial na Câmara Municipal e entregar o Título de Cidadão de Salvador ao embaixador Yossi Shelley, agora quer propor o pacto de cidades irmãs entre Salvador e Jerusalém.
 
Sem vocação

Sem vocação alguma para a oratória, Cátia Rodrigues (PHS) surpreendeu essa semana com um discurso nada usual. Sem tirar os olhos do celular, que utilizava como base, parabenizou o presidente Bolsonaro (PSL) pela sanção de mudanças na Lei Maria da Penha e atribuía todos os méritos ao chefe da nação. Ainda com os olhos firmes no aparelho que estava em suas mãos, conclamou que a população não fosse nem de direita, nem de esquerda. “Devemos ser verde e amarelo como eu sou, pois Bolsonaro é o nosso presidente e ponto”. Muitos se entreolharam diante do apelo.

Resposta

Em um momento distinto, sem citar nomes, o vereador petista Moisés Rocha frisou que a vitória em torno da sanção da Lei Maria da Penha não foi do presidente Lula, da “presidenta” Dilma, muito menos do presidente Bolsonaro, como alguns querem atribuir. “Mas dos movimentos sociais. A luta foi das mulheres e ninguém vai se passar por autor”, mandou o recado.
 
Paz selada?

Entre tapas e beijos e verdadeiros chás de espera, tudo leva a crer que a paz foi selada entre o PSC e a base do prefeito ACM Neto (DEM), sem mais nenhum risco de mudança de time. Mas, para garantir, as más línguas já afirmam que o prefeito em exercício, Bruno Reis (DEM), anda até sancionando projeto de autoria da vereadora Lorena Brandão (PSC). A matéria, sem cunho importante para a pressa da sanção, assegura “a assistência religiosa e espiritual por meio da Capelania nos estabelecimentos mencionados, no Município de Salvador”.  Em setembro do ano passado, Lorena foi nomeada diretora em Salvador da União Internacional de Pastores e Capelães Voluntários (Unipas). 

Entranhado 
O Estatuto da Igualdade Racial parece que está entranhado nos trâmites da Câmara de Salvador. Há quem fale em 20 anos emperrado, mas na atual Legislatura toda semana existe a promessa de votá-lo. A CCJ se reúne, o Colégio de Líderes também, mas a importante matéria nunca sai do papel. Os principais interessados na aprovação da matéria já admitem acreditar veemente em forças ocultas na Casa contrárias à aprovação da mesma.

Primeiro sinal

Mesmo não falando abertamente, a passagem do comando da prefeitura para o vice-prefeito Bruno Reis, por conta da agenda de Neto no exterior, foi o primeiro sinal de que ele será mesmo o nome do grupo para 2020 e chegou a hora de testá-lo oficialmente, com direito a sentar na cadeira e tudo. Em oportunidades anteriores, Neto não passava a gestão “nem por decreto” e governava pelo WhatsApp.

Ninguém entendeu

A aparição do titular da Secretaria de Promoção Social e Combate à Pobreza (Sempre), Leo Prates, no 3º Congresso Estadual do Movimento Brasil Livre, realizado em Salvador no último sábado (18), causou surpresa entre os presentes e gerou o maior burburinho. Todo mundo sabe nos bastidores que, apesar de pertencer ao DEM, o aliado de ACM Neto tem um "pezinho" na esquerda.

Candidato?
Nos bastidores, se comenta que essa foi mais uma tentativa de Prates em aglutinar forças para a sua possível candidatura à prefeitura de Salvador em 2020. Bruno Reis não é um nome que agrada o MBL, que está cada vez mais afastado da base do prefeito ACM Neto.

Movimentos previsíveis 
Bruno Reis tem feito movimentos mais previsíveis. Recentemente, reuniu vereadores e deputados estaduais para visitas técnicas às obras do novo Centro de Convenções - que deve ser um dos motes da sua eventual candidatura. O movimento de Bruno tem a benção de Neto e tem o objetivo de firmá-lo como unanimidade do grupo para a sucessão. Internamente, a leitura é que ainda há muita lenha para queimar na articulação com peças descontentes na Câmara Municipal.

Vice do vice

Parece que deputado Alan Sanches (DEM) está levando bem a sério a ideia de ser vice na hipotética chapa com Bruno Reis. Na visita ao Centro de Convenções, ele colou no futuro postulante e posou em todas fotos como vice do vice. 
 
"C* prolapsados"* 

 

A deputada federal Dayane Pimentel (PSL) virou meme na última semana após afirmar, no plenário da Câmara, que os investimentos na educação superior vão para "folia dos cus prolapsados". A frase faz referência ao título de uma dissertação de mestrado da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). O vídeo viralizou na internet e chegou a ganhar uma versão "remixada" com a música "Boys", da cantora Charli XCX.

Virou brincadeira

 

O deputado Marcell Moraes (PSDB) extrapolou no discurso de defensor dos animais e colocou um cágado na cadeira de deputado. Para muitos, soou como deboche e brincadeira com o dinheiro público. 

Final feliz?
Mesmo tendo o final da novela estendido por decisão do autor, o governador Rui Costa (PT), os personagens que ainda não tiveram seus destinos revelados não perdem a esperança de ter um final feliz, a exemplo do Podemos. Informações chegadas a esta coluna sinalizam que as conversas em torno de espaços no segundo escalão para a sigla não foram esgotadas e a expectativa é que o comando de um espaço, não se sabe se a manutenção do Detran ou de um dos que ainda resta, está reservado. O prazo para o anúncio é que seria a grande incógnita.  
    
Desnecessário

Soou um tanto forçado e desnecessário o vídeo de governador Rui Costa respondendo ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, que mencionou uma fala do petista sobre debater a cobrança de mensalidade em universidades públicas. O gestor baiano, que chegou a evitar criticar o Governo Federal, soou mais agressivo do que o necessário. Pareceu uma tentativa de gerar polêmica e buscar holofote, o que endossa as especulações de que Rui já vislumbra a possibilidade de disputar a Presidência da República em 2022.

E sem moral
Também repercutiu entre a oposição a "cara de pau" do governador de querer dar aula de gestão ao ministro Weintraub. Tudo bem que o rapaz é uma tragédia em forma de gestor, mas o petista baiano não tem moral, dizem os oposicionistas, para tocar no assunto educação porque arrasta com a barriga há mais de um mês a greve de professores das universidades estaduais. Pesa ainda contra Rui o péssimo desempenho da Bahia nos indicadores de qualidade do Ensino Médio.

Particular
Até deputados governistas caíram no riso com a música colocada em plenário pelo líder da oposição, Targino Machado (DEM), satirizando a fala de Rui sobre discutir pagamento de mensalidades em universidades públicas. “Felicidade, passei no vestibular, mas a faculdade é particular, particular, ela é particular”. A turma do Correria tratou logo de se explicar e mostrou um vídeo do governador defendendo a universidade pública e gratuita.

Surtiu efeito

Fabrício Falcão (PCdoB) pegou ar na tribuna da AL-BA e espantou todos os presentes ao dizer que havia tomado uma decisão: ir para o plenário no dia seguinte de fuzil. Isso porque o decreto de Bolsonaro permite porte de armas a políticos. No dia seguinte à fala do deputado, o presidente publicou outro decreto no Diário Oficial, alterando alguns itens do porte de armas. Será que o discurso do baiano chegou em Brasília? Para não perder a piada, o líder de oposição, Targino Machado, disse que o governista tem uma arma muito mais eficaz: a acidez nas palavras. 

Panorama RMS 2020
Não é só Salvador que já fervilha costuras para as eleições de 2020.

I - Em Madre de Deus, a sucessão de Jeferson Andrade (ex-DEM e recém-chegado ao PP) também agita o tabuleiro político. Seu vice-prefeito, Jailton Polícia (PRB), queimou a largada ao anunciar pré-candidatura desde o final do ano passado e tensionou a relação que já estava estremecida. Ambos romperam nos primeiros dias de 2019, depois que Jailton articulou à revelia de Jeferson, a eleição do vereador Paulinho de Nalva (PRB) à presidência da Câmara. Internamente, Jeferson Andrade avalia colocar o nome do deputado estadual Niltinho (PP), de quem foi coordenador de campanha nas eleições de 2018. Também está no páreo o ex-presidente da Câmara, vereador Marden Filho de Tutuca, que vai virar secretário a partir de junho para projetar o nome. 

II – Em São Francisco do Conde, o vice Nem do Caípe (PT) é nome natural à sucessão do prefeito Evandro Almeida (PP), mas três secretários municipais disputam um lugar ao sol: Amarildo Guedes (Serviços Públicos), Marivaldo do Amaral (Educação) e Antônio Calmon (Infraestrutura). Este último já foi prefeito duas vezes e pode esquentar o processo se resgatar seu recall eleitoral. 

 

III – Em Camaçari, o prefeito Antônio Elinaldo (DEM) vai para reeleição com a obrigação de manter a administração sob a batuta demista, já pensando em preparar o terreno para ACM Neto em 2022. A disputa, mais uma vez, deve ser polarizada com o PT. A legenda tenta se libertar das amarras de Luiz Caetano, que, mesmo inelegível, não abre espaço para outro nome. Sua nova esposa, Ivoneide Souza, chegou a ser cogitada para a cabeça de chapa, mas ele mesmo esvazia, por ora, tal chance. Luíza Maia, sua parceira política de longas datas, ainda não fez sinais explícitos ao pleito, mas é peça que não pode ser descartada na equação petista por lá. Bira Coroa, ex-deputado estadual, acompanha as jogadas e pode ganhar espaço se Caetano não reverter o impedimento na Justiça.

IV –Lauro de Freitas deve ter o cenário mais pulverizado da RMS. Para chegar à reeleição, Moema Gramacho (PT) terá que estancar desgastes internos com o PP e o PSD da sua ex-vice, a deputada Mirela Macedo, que pode lançar voo solo à prefeitura. O dono da rede Atakarejo, Teobaldo Costa, o secretário de Educação de Salvador, Bruno Barral, e o ex-assessor de Geddel, Gustavo Ferraz, estão com a faca nos dentes pelo comando da cidade.   

É alvorada ou é São João?

Já pensou ir curtir o São João em uma das maiores festas da Bahia e só conseguir assistir às grandes atrações durante a madrugada? Em Senhor do Bonfim, as bandas e forrozeiros mais conhecidos só começam a se apresentar depois da meia noite. A banda Calcinha Preta, que está na programação de sexta-feira (21 de junho), subirá ao palco às 3h20 de sábado (22). No domingo, Tayrone começará a cantar às 3h50. Na segunda-feira, Adelmário Coelho se apresentará a partir de 1h20 de terça (25), após Geraldo Azevedo. O público vai precisar de muito energético para arrastar o pé pela madrugada. Da próxima vez, prefeito, organiza melhor esses horários para que todos possam curtir o principal espaço do São João de Bonfim.
 

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Leia os termos de uso

jusnews

Na Sombra do Poder

PodCast

Mais Lidas