Na Sombra do Poder

Na Sombra do Poder: Deputado Rivotril

[Na Sombra do Poder: Deputado Rivotril]
27 de Junho de 2019 às 05:00 Por: Reprodução/ Rob Hyrons/Shutterstock e Reprodução/ Redes sociais Por: Editoria de Política 0comentários

Deputado Rivotril
Um membro do legislativo baiano anda com os nervos à flor de pele e ingerindo litros de Rivotril. Segundo informações de Brasília, ele está na mira da Justiça Federal e seria um provável passageiro para o voo Salvador-Curitiba. Quem o viu nesse feriadão pode constatar que o deputado anda bem nervoso e se escondendo dos flashs. Os tentáculos do político iriam de empreiteiras, lixo pelo interior, soja, algodão a bois, muitos bois. Quem o conhece disse que ele se lambuzou. Pesado!

Ausência do chefe

A ausência do governador Rui Costa (PT) foi bastante sentida no São João da capital baiana. Ele não deu moral e, mesmo com a festa tendo começado na quinta-feira (20), nem pisou no camarote da Bahiatursa. Assim como ele, pouquíssimos políticos prestigiaram a festa. Parece que a disputa por cargos no governo tem gerado consequências em todas as frentes.

Críticas
E se depender dos vereadores e da população de Cachoeira, o governador deve ter passado o São João de orelha coçando. Isso porque o chefe do Executivo estadual não fez nem um esforcinho para prestigiar a transferência do gabinete do governo para Cachoeira, na solenidade que ocorre todo dia 25 de junho. 

Galego na área

Falando nisso, o presidente da Câmara Municipal de Cachoeira disse que vai acionar Rui na Justiça. É bom que o governador faça umas visitas pela região do Recôncavo porque elogiaram bastante o galego pelas bandas de lá. 

Sem entrevistas

Aliás, falando em Cachoeira, não entendemos a dificuldade que a equipe de Arany Santana, secretária de Cultura de Rui, colocou para que ela concedesse uma entrevista na solenidade de transferência da sede do governo. Primeiro, o evento foi um fiasco devido ao enfraquecimento causado pela ausência sucessiva do governador; segundo, não tinha ninguém para entrevistar a secretária, a não ser blogs locais.

Cultura no chão
A produção da La Fúria deve ter um peixe muito forte na prefeitura de Cacoheira. A cidade, que respira cultura e que deveria ter uma festa mais tradicional, meteu o grupo na grade de atrações por mais um ano.

Pegou fogo

A retomada da divisão de cargos pelo governador Rui Costa volta a elevar a tensão no grupo liderado por ele. A última reunião, conduzida pela secretária de Relações Institucionais, Cibele Carvalho, cuja pauta principal trataria dos critérios para a escolha dos novos titulares dos cargos em aberto, pegou fogo. O presidente do PDT e deputado federal Félix Mendonça Júnior, irritado, se ausentou do debate e ameaçou não discutir as eleições de 2020. O governo tem como nova tarefa apagar todo esse incêndio. 

Secretária “digital influencer”

E por falar em Cibele, a secretária de Estado mais digital influencer da política se esbaldou nos festejos juninos. E claro, tudo foi registrado e publicado em suas redes sociais. No entanto, interlocutores do governo estão questionando quem está pagando o jatinho que a secretária viajou durante o São João. Dizem as más línguas que as “visitas” eram mais para promoção pessoal do que representando o governador. Perguntar não ofende.

Gordinho do poder

A dupla Simone e Simaria botou banca nos festejos juninos, em Camaçari, e não quis atender a imprensa. Não deixou nem a equipe de comunicação da prefeitura subir no palco. O comportamento arredio chegou aos ouvidos do gordinho da Bahiatursa, que não perdeu tempo e obrigou as cantoras a atender todos os repórteres que cobriam o São João, em Paripe. Diogo Medrado bateu o pé e mostrou que elas estavam se apresentando com dinheiro público e deviam respeito aos jornalistas e ao público. Com o sorriso amarelo e uma produção bastante antipática, a dupla atendeu os veículos em tempo recorde. 

Discurso longe da prática
Um cantor sertanejo que se apresentou no São João da Bahia, conhecido na imprensa por pregar a humildade, mostrou que seu discurso é diferente da prática. Apesar de ter atendido com todo o carinho os jornalistas, ele ficou com a fama de metido nos bastidores, pois disse que só receberia os fãs após seu show. Os admiradores que estavam na fila para vê-lo no camarim antes da apresentação acabaram desistindo e o cantor ficou no vácuo. Esperamos que ele tenha aprendido a lição.

Malhação no Pelourinho

Quem curtiu os shows do São João, no Largo do Pelourinho, deve estar com as pernas torneadas. Para se equilibrar na ladeira em meio à multidão, à chuva e ao empurra-empurra, era preciso muita resistência. Quem não conseguiu, saiu carregado na maca dos bombeiros. Em 2020, é melhor que a festa seja colocada em um lugar mais seguro e acessível para todos.

Bomba-relógio

Só muito amor para levar quase 80 mil pessoas a se amontoar em Paripe para ver as atrações do São João da Bahia. O espaço é uma bomba-relógio e ainda não explodiu porque o governo tem muita sorte. São poucas entradas e saídas, a localização do palco é problemática e o número de brigas e furtos assusta quem cogitou ir pra lá.

Bronca bonfinense

Um forrozeiro das antigas meteu o pau no prefeito de Senhor do Bonfim: “ele é um farsante! Está acabando com o São João de Bonfim, que já foi conhecida como a capital baiana do forró”. O cantor reclamou das atrações escolhidas por Carlos Brasileiro e dos horários dos shows, que prejudicaram o público, já que os artistas de peso ficaram para a madrugada. Depois do desabafo, pediu para não ter o nome citado.

Concorrência nervosa
O clima ficou meio estranho entre os repórteres durante a passagem de Alceu Valença no espaço da imprensa, no Pelourinho. Um jornalista conseguiu furar a barreira e se camuflou na produção da festa, mas os “coleguinhas”, com medo de tomarem furo, não pensaram duas vezes e deduraram o infiltrado. Coisa feia, hein, concorrentes? Cadê a união da classe?

Antipatia no arraiá

Além do forró, o que predominou no São João da Bahia foi a antipatia dos artistas de peso, contratados para animar as festas. Grosseiros, antipáticos e avessos à imprensa, eles não fizeram nenhuma questão de atender as equipes de reportagem e aos fãs que se acumulavam nos bastidores. Quando eram interpelados, respondiam de forma monossilábica aos profissionais que faziam a cobertura da festa. A fama é um veneno para boa parte dos seres humanos.

“Herói nacional” 

Em meio à votação na Câmara de Salvador, chamou bastante atenção o discurso inflamado da vereadora Lorena Brandão (PSC). Ela criticou a moção de aplausos apresentada pela vereadora Aladilce Souza (PCdoB) sobre a atuação do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que, em nota, recomendou o afastamento do ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, e do coordenador da força-tarefa Lava Jato, Deltan Dallagnol, e ainda afirmou que o ministro se trata de um “herói nacional”. "Se há uma coisa que me moveu do meu lugar comum para a política foi saber que nela existem pessoas com atuação como a dele”, disse.

Dia da vergonha
Mais além, Brandão, que pouco se posiciona, disparou ainda que: “Eu estou muito consternada. Hoje, para mim, é um dia de vergonha, pois a moção de aplausos pela atuação do Conselho Federal da OAB me fez ter vergonha de ser advogada”. 

Madeirada

Falando em Aladilce, a vereadora, uma das mais radicais da Câmara de Salvador, atacou durante os festejos juninos o projeto do BRT em Salvador. A edil compartilhou nas redes sociais fotos de árvores sendo cortadas no trajeto no modal. "O Projeto é tão indefensável que ele aproveita o período junino, em que a cidade está vazia, para cortar as árvores!", comentou.

O 2 de Julho vai pegar fogo

Como já é tradição, os grupos de ACM Neto (DEM) e Rui Costa irão disputar os holofotes no 2 de Julho. Só que o negócio vai pegar ainda mais fogo porque está correndo por fora o vereador e presidente da Câmara Municipal de Salvador, Geraldo Júnior. Resta saber quem se dará melhor em 2020. É lá e low

O pé-frio do 2 de Julho
Conhecido no meio político como um tremendo pé-frio, um cacique soteropolitano está sendo escanteado por todos grupos que ele tenta se encaixar para participar da tradicional manifestação baiana. Alguns vereadores e deputados já não escondem mais a fama do “moço”: por onde anda, são arremessados ovos e tomates em sua direção e em quem estiver por perto. Tem quem fale que já não se trata de azar, mas de alvo preferido. Parece que o povo anda mesmo retado com a cara do “porretão”. Sai pra lá, coisa ruim...
 

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Leia os termos de uso

jusnews

Na Sombra do Poder

Eduardo Entrevista

Mais Lidas