Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Na Sombra do Poder

Na Sombra do Poder: Operação Antiperu e o puxa-saco de convenção

[Na Sombra do Poder: Operação Antiperu e o puxa-saco de convenção]
17 de Setembro de 2020 às 05:00 Por: Pixabay/ Reprodução/ Redes sociais/ Imagens BNews Por: Editoria de Política

Operação Antiperu e o puxa-saco de convenção
Para a convenção do DEM da capital baiana, que sacramentou o nome de Bruno Reis como candidato à prefeitura de Salvador, foi montado um aparato misterioso para a não divulgação do local onde seria transmitido o evento. Nos bastidores, a chamada Operação Antiperu surtiu efeito, mas, mesmo assim, alguns ainda deram as caras por lá. No entanto, estes não tiveram o direito nem acompanhar os discursos. O prefeito não queria aglomeração, a fim de dar exemplo no cumprimento dos protocolos sanitários. E para quem não sabe, os perus são aqueles puxa-sacos que só vão fazer batida de ombro. 

Falando em puxa-saco, nem mesmo a pandemia conseguiu afastar esse tipo de seguidor. Em uma convenção da cidade, onde o prefeito ACM Neto participava remotamente, um grande papagaio de pirata gritava no auditório. O cidadão é um velho conhecido da política e estava em quase todas as convenções. O puxa-saco voltou! É, meus amigos, até dia 15, é osso. 

Diga ao povo que vou
Uma corrente espalhava nos bastidores a não participação de Bruno Reis nos próximos debates televisivos. Contudo, conforme apurado por essa coluna, o democrata vai topar todas as paradas. Quem está na margem dos 30% das intenções de voto não pode se dar ao luxo de se ausentar em momentos importantes do processo de campanha, ainda mais neste ano em que a disputa será mais midiatizada do que nunca. 

Vai cair
Tem uma famosa figura do Palácio Thomé de Souza que possui uma fama de maltratar e pirraçar personagens políticos e tem dado o que falar. Há quem diga que as tabocas de foguetes estão prontas para serem pipocadas diante da sua queda, seja pela não reeleição do sucessor de ACM Neto, seja pela eleição de Bruno Reis. É muito pouco provável que continue na função. A conferir. 

Recado embutido

A fala “eu confio em você, confio na sua palavra” de Geraldo Júnior ao prefeito ACM Neto na convenção do MDB, nesta semana, soou como um recado de esperança no cumprimento do acordo que levaria a recondução do emedebista à Presidência da Câmara de Vereadores da capital baiana.

Ping-pong do líder

Por falar em GJ, tem muita gente curiosa para saber onde foi que ele aprendeu a ler Teleprompter. Dizem que ele lê o texto como se estivesse vendo uma partida de ping-pong... o olho não para. As forças ocultas não deixam o líder em paz, falam de tudo! 

Leo tumultuou
O pau quebrou foi na convenção do PDT que aprovou o nome de Ana Paula Matos como vice de Bruno Reis e, consequentemente, o apoio da sigla ao democrata. Motivo da briga? A divisão dos números de cada candidato a vereador. Há quem diga que o assunto já estava pacificado, mas o presidente do PDT de Salvador, Leo Prates, quis colocar para votação dos convencionais. Os já acertados ficaram pirados com a medida. No fim das contas, tudo foi resolvido. 

Chutou o pau da barraca

Bacelar chutou o pau da barraca e contrariou as expectativas de muitos que achavam que se curvaria ao pedido do governador de apoiar Denice. Só iria de vice, mas a preferência foi dada ao PSB. Há quem diga que Rui aceitou de bom grado a justificativa do deputado federal de colocar o bloco na rua com a Rede e o PTC como forma de viabilizar um sistema político nesta e na próxima eleição. 

Esperando um sinal do Planalto

Afinal de contas Bolsonaro vem ou não a Salvador, importante colégio eleitoral, para subir em palanque e pedir voto? Circula informação de um acordo não verbalizado de cavalheiros para o chefe do Executivo não aparecer por aqui. A tendência é de avacalhar ou impulsionar determinados nomes. Cezar Leite, autointitulado seu candidato, vai ter que provar à população que é o nome do bolsonarismo na capital. Espera-se declarações e vídeos para a sua campanha. Caso embale, pode ser um fator decisivo para levar a eleição ao segundo turno, não necessariamente com sua participação direta. 

Confiando no mesmo raio

O senador Jaques Wagner tem demonstrado um otimismo exacerbado sobre a disputa eleitoral deste ano em Salvador. Para ele, o cenário está indefinido e há chance do segundo turno ser de dois candidatos governistas como aconteceu em 2008. Difícil o raio cair no mesmo lugar mais de uma vez. 

Banguela
O bonitão vice-governador da Bahia, João Leão, em seu discurso na convenção que homologou a candidatura de Olívia Santana (PCdoB) à prefeitura da capital baiana, fez uma analogia inusitada ao se referir às obras estruturantes do Governo do Estado em Salvador. Disse que cada projeto posto em prática por Jaques Wagner e Rui Costa era um dente na boca de Salvador. Citou o metrô, a nova Rótula do Abacaxi, a Via Expressa e outras mais, sem as quais, segundo ele, a terra da alegria estaria banguela. 

Satisfação na laje

Quem estava na laje de Cosme de Farias, sede da convenção que oficializou o nome da Major Denice à prefeitura de Salvador, pôde perceber o grau de satisfação do governador Rui Costa (PT) quando assistia a sua pupila discursar. Era o olhar de admiração do criador para com a criatura. Resta saber se essa engenharia vai emplacar. E, diga-se de passagem, esteticamente Salvador deu um banho visual no comparativo com a ideia da laje da campanha de São Paulo. 

O dono da campanha toda
Outro destaque: o dono da campanha é Rui Costa. Apesar de Fabya Reis ser a coordenadora da chapa de Denice, quem dá a palavra final é Rui. Denice é 100% sua escolha e a campanha é 100% de sua articulação. O cenário é bem diferente da eleição passada, quando a turma não considerou as condições do governador. 

Vai encarar?

E nessa chapa do PROS, Celsinho Cotrim pelo menos está protegido: se alguém mexer com o baixinho tem Popó pra defender. O vice quer surfar na onda da fama esportiva de campeão para alavancar o nome do seu candidato a prefeito. Vai encarar? Depois não vá parar num ringue…

AL-BA longe do acordo
Há quem diga que o jogo pela Presidência da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) não está jogado. Se o PSD e Adolfo Menezes acham que estão na tranquilidade pela confiança na palavra do governador Rui Costa (PT) sobre o cumprimento do acordo, é melhor abrir bem os olhos. Apesar de Leão ter dito, conforme noticiado por este BNews, que ele não tem se metido no assunto e que isso é problema de deputado, fontes palacianas dizem o contrário e, mais do que isso, o inquilino de outro Palácio, que fica pelas bandas do Centro de Salvador, tem acompanhado com atenção a mobilização.

Disputa de cardeais
A disputa da AL-BA já não se fixa mais nas figuras de Adolfo e Nelson Leal. Ultrapassou barreiras. Se trata agora de briga de cardeais entre Rui Costa, Otto Alencar, Jaques Wagner, João Leão e ACM Neto. 

Bypass
Converse de um tudo com o governador Rui Costa, mas não toque no assunto da Assembleia. Apesar de ter dado duras declarações sobre as articulações da cadeira maior do Legislativo baiano, o petista só vai entrar no assunto depois da eleição municipal. Contudo, pelas articulações que estão a todo vapor, o chefe do Palácio de Ondina pode tomar um bypass debaixo do nariz, assim como foi há dois anos, quando o PP emplacou Leal depois que ele saiu para uma viagem à China…

Carro na frente dos bois

Quem já começou a se movimentar foi Ronaldo Carletto, numa jornada solitária para emplacar o deputado Robinho, caso não haja mesmo reversão da PEC para a reeleição de Nelson Leal. Mas a jogada foi atabalhoada e mal vista por muitos pepistas porque antecipou tratativas com ACM Neto em busca dos votos da bancada de oposição. Alguns deles disseram à NSP que Carletto colocou o carro na frente dos bois e terminou sua peregrinação sem nenhuma garantia de apoio. Ele chegou a oferecer apoio do PP em Eunápolis à candidata do DEM, Cordélia Torres, o que se confirmou posteriormente porque Neto Carletto, seu sobrinho, declinou da pré-candidatura por lá.   

Efeito colateral
Com isso, o MDB - que caminharia com os pepistas numa espécie de via alternativa - acabou indo apoiar o prefeito Robério Oliveira, do PSD, que está buscando a reeleição.

Apostas de Neto
De grão em grão, ACM Neto vai enchendo o papo da sua base e preparando o terreno da sua candidatura a governador em 2022, olhando inclusive para possíveis nomes que podem compor a chapa majoritária. No Oeste, por exemplo, ele aposta na reeleição de Zito Barbosa para a prefeitura de Barreiras e na eleição de Júnior Marabá em Luís Eduardo Magalhães para alargar as fronteiras eleitorais. Se vencer, Zito é tido como nome importante para a chapa de 2022, provavelmente como vice.
 

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso