Coronavírus

Sedur se reúne com categoria odontológica para debater protocolos de segurança e sinaliza eventual flexibilização 

[Sedur se reúne com categoria odontológica para debater protocolos de segurança e sinaliza eventual flexibilização ]
Por: Pixabay Por: Redação BNews 0comentários

O secretário de Desenvolvimento e Urbanismo de Salvador, Sérgio Guanabara, informou ao radialista Zé Eduardo, em entrevista a rádio Metrópole, que a pasta tem feito reuniões periódicas com diversas categorias, dentre elas da odontologia, para debater protocolos de medidas protetivas referente ao novo coronavírus. Há reclamação dos profissionais que ensejam voltar ao trabalho. Alegam, no comparativo, que os médicos seguem com suas consultas e veterinários também. 

“Eu compreendo, só queria que as pessoas compreendessem o porque dessas medidas. O dentista tá colado com o paciente. Foi medida de proteção para ambos: dentista e paciente. Mas estamos discutindo. Se eu fosse um profissional da área eu estaria preocupado se a prefeitura estaria negando conversar, mas pelo contrário. Eu conversei com uma profissional que mandou um material e estamos estudando”, disse na manhã desta quinta-feira (21). 

No grupo de discussão, além da Sedur, também está a Casa Civil e a Associação Baiana de Odontologia, por exemplo. Após os estudos, a proposta será levada ao prefeito ACM Neto (DEM) para avaliar uma eventual flexibilização para o setor. 

CARTA - O BNews teve acesso a uma carta de um grupo de nove dentistas. O texto é endereçado ao prefeito ACM Neto com o pedido, dentre outros, de flexibilização para que dentistas voltem a atender em Salvador. 

Confira na íntegra:

A Classe Odontológica é a que mais tem sido afetada pela crise do Covid-19 através do seu protocolo de isolamento social e suspensão dos serviços não-essenciais. Muitos consultórios estão fechando as portas e demitindo seus funcionários. Vale lembrar que aqui em Salvador estamos falando de um número de mais de 5000 (cinco mil) Cirurgiões-dentistas, quase mil Clínicas Odontológicas e milhares de funcionários ou trabalhadores que dependem diretamente da atividade odontológica como os técnicos de equipamentos odontológicos, lojas especializadas em artigos dentais e laboratórios de Prótese.

A classificação da nossa atividade como não-essencial também não utiliza nenhum critério científico. A rotina do atendimento aos pacientes em Odontologia já é cercada de todas os requisitos de biossegurança para evitar a contaminação dos dentistas e funcionários e a contaminação cruzada entre pacientes. Há muito tempo lidamos com vetores transmissores de doenças, seja pela saliva ou pelo sangue durante os atendimentos odontológicos eletivos e de urgência. Doenças como a hepatites, AIDS, sarampo, viroses mil, tuberculose, sífilis, entre outras tantas. Para isso utilizamos a Esterilização dos nossos instrumentais, desinfecção de superfícies, uso de barreiras de proteção e EPIs como preconizado pela Vigilância em Saúde. De acordo com o anexo I.

Gostaríamos de salientar também que a Saúde começa pela boca. E a suspensão dos serviços odontológicos eletivos podem estar comprometendo a saúde de pacientes diabéticos, com suspeita de câncer bucal, com lesões cariosas assintomáticas profundas que podem evoluir para um tratamento de canal, fístulas, abcessos e até endocardite bacteriana. A suspensão dos atendimentos também pode prejudicar tratamentos já iniciados, como nos casos de Ortodontia, onde um aparelho ativo sem a devida manutenção mensal, pode trazer danos irreversíveis às raízes levando à perda dos dentes.  E demais lesões nos tecidos bucais ou dentários que afetam tanto a saúde geral quanto a condição financeira do paciente (pois o agravamento de determinadas casos pode resultar em mais procedimentos, aumentando o custo do tratamento) . 

Os pacientes, por sua vez, também não consideram o tratamento odontológico como um meio de contaminação da Covid-19 segundo dados coletados por uma pesquisa realizada aqui em Salvador pelo Dr. Bruno Gomes – CROBA 8049.  Nessa pesquisa também ficou clara a preocupação da população em ter seu tratamento odontológico descontinuado e a falta de atendimentos preventivos, devido à suspensão dos serviços odontológicos. Ver anexo II.


Desta feita, viemos através desta solicitar medidas que visem a mudança desse cenário que foi imposto à Odontologia, bem como medidas de apoio econômico, a saber:
 

- Eleição da Atividade Odontológica como atividade ESSENCIAL. E liberação para reabertura imediata dos consultórios e clínicas odontológicas para atendimento aos serviços eletivos seguindo todas as regras determinadas pelo CFO (Conselho Federal de Odontologia), Anexo I.
- Adiamento e parcelamento de todos os tributos municipais, a saber: IPTU, ISS e TFF, desde o mês de março de 2020. Assim como está acontecendo com os tributos a nível Federal.

 

Sabemos que neste momento da Pandemia o mais importante é salvar vidas. Mas não será impedindo que os pacientes tenham acesso ao serviço de saúde Odontológica que a crise será resolvida. Afinal, como profissionais de Saúde podemos auxiliar no diagnóstico dos pacientes com sintomas da Covid-19 e fazer as devidas orientações e encaminhamentos.

Atenciosamente,

Pelos Cirurgiões-Dentistas da Cidade de Salvador.
Alexandre Assis – CROBA 5578
Bruno Gomes – CROBA  8049
Ana Carolina Guedes – CROBA 13708
André Rossi – CROBA 5596
Luegya Knop – CROBA 8668
Marcelo Carbalho – CROBA 8318
Saulo Pires – CROBA 5899
Sued Queiroz – CROBA 13144
Vastiane Evelise – CROBA 4863

 

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Leia os termos de uso

jusnews

Na Sombra do Poder

PodCast

Mais Lidas