Economia e Mercado

Diretor da OR apresenta o Monvert e fala sobre desafios e perspectivas do setor para 2019

[Diretor da OR apresenta o Monvert e fala sobre desafios e perspectivas do setor para 2019]
11 de Janeiro de 2019 às 11:24 Por: Reprodução Por: Caroline Gois 0comentários

Mais de 4 mil imóveis foram vendidos na Bahia entre janeiro e julho de 2018, sendo que o segundo trimestre do ano (abr-jun)
concentra o maior número de vendas. Os dados são indicados pela Pesquisa Imobiliária da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário da Bahia (Ademi-BA). Após quatro anos consecutivos de queda, a contratação de crédito para compra de imóveis voltou a crescer na Bahia em 2018 (7,23% em relação ao primeiro semestre de 2017), segundo a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). Essa movimentação foi traduzida em uma alta de 12% nas vendas em relação ao mesmo período do ano passado, resultado puxado, principalmente, pelos negócios no segmento de habitação popular. 

Ainda no primeiro trimestre do ano passado, o volume de lançamentos de novos empreendimentos cresceu, superando a marca do mesmo período de 2017 em cerca de 50%, de acordo com a Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário da Bahia (Ademi-BA). Além disso, a reabertura da linha de financiamento pró-cotista, pela Caixa Econômica, em janeiro, trouxe mais facilidades para que consumidores voltassem a utilizar o FGTS na compra do imóvel. 

E foi seguindo esta melhora do mercado, misturado com coragem e aposta em dias melhores que a OR, incorporadora da Odebrecht anunciou o Monvert. O novo empreendimento da OR na Bahia que vai ficar no Horto Florestal, se consolidou como sucesso de vendas. Com 140 unidades, “o empreendimento está 100% vendido”, afirma Eduardo Pedreira, diretor superintendente no Nordeste.

Ele complementa que a comercialização do empreendimento foi feita de forma inovadora e que pela primeira vez, a incorporadora apostou em uma plataforma digital, que agrega estratégias de marketing digital à tecnologia e a expertise de mercado da empresa.

De acordo com o gestor da empresa, o resultado marca a retomada do crescimento econômico e traz um novo ânimo ao mercado imobiliário. Com o lançamento do empreendimento, a OR chancela o seu retorno ao Horto Florestal, bairro que a incorporadora ajudou a desenvolver por meio de empreendimentos como o Albalonga, Vale do Loire e o Chácara Suíça. Além disso, o empreendimento vai gerar cerca de 1.500 empregos diretos. 

Eduardo Pedreira visitou a redação do BNews, na manhã de quinta-feira (10) e apresentou o Monvert, além de falar sobre os
desafios e perspectivas do mercado imobiliário para 2019. 

Sobre o Monvert
Fazendo alusão à expressão francesa mon vert, significa “meu verde”. A inspiração francesa estende-se também para os nomes das duas torres do empreendimento: Auvérnia e Borgonha –, com 34 e 36 andares, respectivamente. O Monvert é um lançamento de alto padrão que conecta o ser humano ao verde e ao que há de mais inovador no que se refere ao âmbito da construção civil no mundo. As obras do Monvert estão programadas para iniciar em 2019, com previsão de entrega para o início de 2023. Na equipe por trás do projeto, profissionais renomados como Sidney Quintela (projeto arquitetônico), Alex
Hanazaki (paisagismo) e Flávio Moura (interiores). 

A sustentabilidade é um ativo forte no projeto do Monvert, visto que o novo residencial conta com tecnologias que preservam o meio ambiente. De modo a garantir as práticas sustentáveis, o empreendimento terá uma estação de captação de energia solar para alimentar a iluminação das áreas comuns, promovendo eficiência energética, iluminação com sensor de presença nas áreas técnicas e de serviços, iluminação em LED, infraestrutura para medição individual de água, painéis fotovoltaicos para geração de energia, bicicletário, e sistemas para reaproveitamento de água e uma estação de tratamento de águas cinzas, possibilitando  uma gestão adequada dos recursos hídricos.

A partir dessas práticas, o Monvert é candidato a participar do programa IPTU Verde, uma iniciativa da Prefeitura de Salvador voltada a incentivar empreendimentos imobiliários a efetuarem ações de sustentabilidades. De acordo com as realizações, a construção recebe uma pontuação, que é revertida em descontos no IPTU. As categorias são divididas em Bronze, Prata e Ouro – certificação dada aos empreendimentos com 100 pontos ou mais. 

Além disso, o empreendimento também se qualifica para a certificação Edge (Excellence in Design for Greater Efficiencies), uma
plataforma que classifica as ações sustentáveis, informando ao consumidor qual a economia real de água e de energia ao adquirir um empreendimento com o selo. 

A sustentabilidade também está presente na praça arborizada de 3.500 m², o que proporciona a oportunidade ideal para caminhadas e diversas formas de lazer em família, ao ar livre, com total segurança. Inspirado na percepção de que o verde conecta as pessoas, o Monvert ainda vai proporcionar experiências de integração com a natureza através de uma preservada área verde com mirante integrado à vegetação. Entre as espécies de vegetação que a OR irá preservar no local estão bambuzal, aroeira, abacateiro, cajueiro, espinho cheiroso, mangueira, ouricuri e sucupira. 

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Leia os termos de uso

jusnews

Na Sombra do Poder

Eduardo Entrevista

Mais Lidas