Economia e Mercado

Braskem e Petrobras devem assinar novo contrato de nafta

[Braskem e Petrobras devem assinar novo contrato de nafta]
Por: Divulgação/Braskem Por: Redação BNews 0comentários

As negociações entre Braskem e Petrobras para celebração de novo contrato de nafta estão avançando, de acordo com informações do Valor Econômico.  Os termons devem ser anunciados breve. A estatal, segunda maior acionista da Braskem, é também sua principal fornecedora e a nafta ainda é a matéria-prima mais utilizada nas operações no Brasil.

O início das conversas em torno do novo contrato, que cobre mais de 10% de toda matéria-prima consumida pela Braskem, foi iniciado em 2019, mas não foi amistoso, segundo apurou o Valor. As negociações voltaram a fluir depois da troca de comando na Braskem, que ocorreu em novembro, após a Petrobras gazer pressão sobre a sócia Odebrecht pela mudança.

A estatal pretende vender parte de suas refinarias neste ano, apesar da crise desencadeada pela Covid-19. A garantia de contratação de derivados tende a valorizar esses ativos, o que também teria incentivado a busca por um entendimento sobre a nafta neste momento. O contrato de nafta com a Braskem deve ser assinado ainda no primeiro semestre.

Segundo informações do Valor Econômico, com a queda no consumo de combustíveis no mercado doméstico, na esteira das medidas de isolamento para conter o avanço da covid-19, a Petrobras se viu com excedente de nafta e a Braskem aceitou sentar-se à mesa para negociar volumes adicionais - a empresa é a única compradora de nafta no mercado brasileiro. No início de maio, a petroquímica informou a assinatura de um aditivo ao contrato firmado em 2015, acertando a compra de nafta adicional em abril, substituindo os volumes que seriam importados.

O aditivo abrangeu 220 mil toneladas, das quais 190 mil toneladas com um desconto de US$ 35 por tonelada para as centrais petroquímicas na Bahia e no Rio Grande do Sul e 30 mil toneladas para o complexo petroquímico paulista, com desconto de US$ 35 por tonelada, tomando-se como referência a cotação ARA (índice de preço formado nos portos de Amsterdã, Roterdã e Antuérpia).

O contrato a que se referiu a Braskem no comunicado tem prazo de cinco anos e foi fechado às vésperas do Natal de 2015, após alguns aditivos ao acordo anterior - encerrado em 2014 em meio às investigações da Operação Lava-Jato. A Braskem admitiu o pagamento de propina para ser favorecida nesse acordo anterior, que havia sido firmado em 2009 e previa um intervalo de preço variável de 92,5% a 105% da cotação ARA.

Há cinco anos, a Petrobras entregava cerca de 70% da matéria-prima utilizada pela Braskem nas operações brasileiras, ou cerca de 7 milhões de toneladas por ano. Hoje, a nafta ainda é relevante, mas vem perdendo participação na matriz de insumos da petroquímica. Em 2019, correspondeu a 38% do consumo total, contra 90% dez anos antes. Da nafta total usada no ano passado, 36% veio da Petrobras e o restante foi importado.

A forte desvalorização do petróleo e a pandemia de covid-19, que teve efeito pontual no consumo de nafta nacional em abril, não influenciaram os termos do novo contrato de longo prazo, segundo uma fonte ouvida pelo Valor. 
 

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Leia os termos de uso

jusnews

Na Sombra do Poder

PodCast

Mais Lidas