Justiça

Cármen Lúcia afirma que juízes não ganham 'em excesso'

[Cármen Lúcia afirma que juízes não ganham 'em excesso']
11 de Setembro de 2018 às 13:16 Por: Pedro Ladeira/Folhapress Por: Redação BNews

Nesta terça-feira (11), a presidente do Supremo Tribunal Federa (STF), ministra Cármen Lúcia, comandou a última sessão como presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). De acordo com o G1,no discurso de despedida, ela disse que a transparência exigida pelo CNJ em relação à divulgação dos salários de magistrados teria comprovado que os juízes brasileiros não ganham "em excesso".

Em agosto, o Supremo decidiu incluir no Orçamento da União de 2019 previsão de reajuste salarial de 16,38% para os ministros da Corte que, atualmente, ganham em R$ 33,7 mil. O salário dos ministros do STF – que serve de base para a definição dos vencimentos de magistrados de instâncias inferiores – poderá ultrapassar R$ 39 mil a partir do ano que vem. Se o aumento dos salários dos magistrados da Suprema Corte for aprovado pelo Congresso Nacional, irá gerar um efeito cascata no Judiciário.

“Acho que a atenção ao cidadão brasileiro foi dada. A transparência aumentou até mesmo para que o cidadão soubesse dentro disso que se tornou uma constante de afirmar que o juízes ganham em excesso. Não ganham e está aí a comprovação pela transparência que foi dada às informações sobre as remunerações de todos nós magistrados brasileiros de forma permanente, sem qualquer dificuldade, cumprindo-se integralmente a lei de acesso à informação”, afirmou Cármen Lúcia, que acumula a presidência do STF com o comando do CNJ.

A ministra deixará o comando do Supremo na quinta-feira (13). Ela será substituída na presidência do tribunal pelo ministro Dias Toffoli. A informação é do G1.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar