Justiça

Mortes no Oeste da Bahia podem ter relação com suposto esquema envolvendo desembargadores, diz STJ

[Mortes no Oeste da Bahia podem ter relação com suposto esquema envolvendo desembargadores, diz STJ]
Por: Adenilson Nunes/Arquivo/BNews Por: Redação BNews 0comentários

Dois homens envolvidos no possível esquema criminoso voltado a venda de decisões judiciais por juízes e desembargadores do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), foram assassinados em uma possível operação de "queima de arquivo" no oeste da Bahia, segundo o inquérito que tramita no Superior Tribunal de Justiça (STJ). 

Na decisão, o ministro relator OG Fernandes afirma que Genivaldo dos Santos Souza, responsável por divulgar a negociação entre a desembargadora Maria da Graça Osório e Adailton Maturino, apontado como um dos principais líderes de esquema de grilagem de terras no oeste baiano, na suposta compra de uma decisão liminar com a lavratura de escritura pública, foi assassinado. A propina seria no valor de R$ 1,8 milhão.

Genivaldo foi executado em uma praça, em plena luz do dia, com oito tiros no ano de 2014, em Barreiras. Ainda segundo o ministro, o autor do crime seria o guarda municipal Otieres Batista Alves, que recebeu uma promessa de recompensa pelo crime, acabou sendo executado em 2018, em uma "possível operação de queima de arquivo".

A Operação Faroeste foi deflagrada na manhã desta terça-feira (19) pela Polícia Federal. Foram cumpridas determinações de afastamento de quatro desembargadores do TJ-BA - o presidente Gesivaldo Brito, Maria da Graça Osório Pimentel Leal, Maria do Socorro e Olegário Caldas - e dois juízes de Direito de suas funções por 90 dias.

De acordo com nota enviada pela PF, mais de 200 policiais federais, acompanhados de Procuradores da República, cumpriram quatro mandados de prisão e 40 mandados de busca e apreensão em gabinetes, fóruns, escritórios de advocacia, empresas e nas residências dos investigados, nas cidades de Salvador, Barreiras, Formosa do Rio Preto e Santa Rita de Cássia, na Bahia, e em Brasília.

As prisões temporárias, de cinco dias, prorrogáveis por mais cinco dias, foram em desfavor de: Adailton Maturino dos Santos, advogado que se apresenta como cônsul da Guiné-Bissau no Brasil; o advogado Antônio Roque do Nascimento Neves; Geciane Souza Maturino dos Santos, advogada e esposa de Adailton Maturino dos Santos; e Márcio Duarte Miranda, advogado e genro da desembargadora Maria do Socorro Barreto Santiago.

Notícias Relacionadas: 

Desembargadores e juízes afastados do TJ-BA continuarão recebendo salários
CNJ manda TJ-BA anular portaria que transferiu 366 mil hectares a um único homem no Oeste
TJ-BA cumpre decisão do CNJ que anulou transferência de terras no Oeste do estado
Eliana Calmon deixa defesa de borracheiro em imbróglio por 366 mil hectares no Oeste da Bahia
Desembargadora é acusada de vender sentenças e movimentar R$ 15 milhões de origem suspeita
Operação Faroeste: Afastado, desembargador chegou a viajar com um dos principais lideres de esquema
Após operação da PF, desembargador Augusto de Lima Bispo assume presidência do TJ
STJ acusa presidente do TJ-BA de movimentar R$ 25 milhões de maneira suspeita e atuar em organização criminosa
Operação Faroeste: Juízes afastados cuidavam de maior processo de grilagem de terras do Brasil
Operação Faroeste: Eleição para presidência do Tribunal de Justiça da Bahia deve ser prorrogada
Operação Faroeste: STJ bloqueia R$ 581 milhões de investigados por venda de sentenças na Bahia
Operação Faroeste: Presidente do Tribunal de Justiça da Bahia, três desembargadores e dois juízes são afastados
Operação Faroeste: Para advogado de desembargadora afastada, operação tem cunho eleitoral

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Leia os termos de uso

jusnews

Na Sombra do Poder

PodCast

Mais Lidas