Justiça

STF decide que receita do Facep não entra no cálculo da dívida da Bahia com a União

[STF decide que receita do Facep não entra no cálculo da dívida da Bahia com a União]
Por: Fotos Públicas Por: Yasmin Garrido 0comentários

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por unanimidade, que a receita obtida com o Fundo Estadual de Combate e Erradicação da Pobreza (Fecep) não deve ser incluída no cálculo da dívida pública do Estado com a União.

A decisão foi favorável a um pedido feito pelo próprio Estado em ação cível ordinária e prevê que a União deverá ressarcir os valores pagos a maior a título de amortização da dívida pública nos exercícios de 2002, 2003 e 2004, mediante compensação da diferença com débitos futuros.

A ação foi protocolada junto ao STF em 2004, quando o Estado da Bahia explicou, se fosse válido o entendimento da União de que as receitas do fundo devem ser incorporadas ao cálculo da quantia mínima a ser aplicada nas áreas de saúde e educação e no cálculo da RLR - Receita Líquida Real do Estado, o valor pago mensalmente pela Bahia na dívida pública seria R$ 1,5 milhão maior.

Ainda segundo o argumento do Estado, o montante mínimo aplicável a despesas com saúde e educação ficaria distorcido. Por isso, foi pedido que a receita do fundo seja excluída de qualquer cálculo orçamentário.

Entendimento do STF
O colegiado acompanhou integralmente o voto do relator da ação, ministro Marco Aurélio, que observou que o fundo visou atender aos objetivos fundamentais da República, que é construir uma sociedade livre, justa e solidária, erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e promover o bem de todos.

“A dívida pública, no entanto, passou a absorver recursos que deveriam estar sendo canalizados para as necessidades básicas da população, contrapondo-se a parâmetros constitucionais rígidos ligados à mitigação do sofrimento nacional”, declarou o relator.

O ministro citou precedentes em que o próprio Supremo proclamou a impossibilidade de que receitas provenientes do adicional criado pelo Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT) sejam utilizadas para efeito de cálculo da amortização da dívida do estado.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Leia os termos de uso

jusnews

Na Sombra do Poder

PodCast

Mais Lidas