Justiça

Caso Iuri Sheik: um ano após assassinato de William Oliveira, amigos e familiares falam da dor e pedem justiça

[Caso Iuri Sheik: um ano após assassinato de William Oliveira, amigos e familiares falam da dor e pedem justiça]
Por: Reprodução/ Instagram Por: Rafael Albuquerque 0comentários

Nesta sexta-feira (26) completa um ano do assassinato do ex-empresário da Black Style, William Oliveira. Em 26 de junho de 2019, Will, como era chamado pelos amigos e familiares, morreu após ter sido atingido por tiros disparados por Iuri Santos Abraão, conhecido como Iuri Sheik, em uma festa de paredão no dia 23 de junho durante festejos juninos na cidade de Santo Antônio de Jesus. À época William, que deixou duas filhas, passou por cirurgia e chegou a apresentar melhora, mas o quadro se agravou em seguida e ele não resistiu.

Dias após o crime, o suspeito se entregou e teria confessado o crime, fato que foi contestado pelo adovgado de defesa Victor Valente. Hoje, exatamente um ano após a morte, familiares e amigos de William deram depoimentos emocionantes ao BNews. Com a voz embargada, Maria Clara, filha da vítima de apenas 8 anos, resumiu em poucas palavras os sentimentos de saudade e revolta: "eu sinto muita saudade de meu pai. Espero que o homem que matou meu pai fique preso pra sempre, porque eu sinto muita falta dele". 

A mãe de Will, Nélia Oliveira, também falou ao BNews sobre a falta que sente do filho: "É impossível esquecer o dia em que roubaram de mim o bem mais precioso que tinha: meu filho. Hoje faz um ano em que a saudade e o sentimento de justiça caminham comigo, ainda me revolta como a morte o levou de forma tão inesperada e tão trágica. Para mim é como se tudo tivesse acontecido ontem". Dona Nélia também falou da dificuldade em conviver com a saudade: "É difícil conviver com a saudade. Meu filho tão jovem, com tantas coisas ainda para viver. Eu tento me apegar todos os dias nas melhores recordações para que um pouco de paz possa invadir meu coração, e peço a Deus força para criar minhas netas e dar o amor que foi tirado delas".'

Diversos amigos também concederam entrevista ao BNews e deram depoimentos sobre como se sentem um ano após o crime. Jéssica Celles salientou que é difícil falar de William: "É uma migo que eu tinha há mais de dez anos. Era amigo, prestativo. Para ele sempre tava tudo certo, nada abalava ele. Não guardava mágoa de ninguém, não era de briga. Parece que ele veio no mundo pra ajudar as pessoas, parece que ele sabia que a partida dele ia ser rápida. Sinto muita falta dele, mas ele tá em um bom lugar e olhando por todos nós".

Tainá Reis, amiga de infância da vítima, relatou que ele era uma pessoa muito especial: "Ele é a pessoa mais especial que tive. Era meu melhor amigo, meu confidente, meu patrão, meu filho, meu irmão. Falar dele ainda me dói muito. No dia que eu conseguir falar de William sem cair uma lágrima eu realmente superei essa perda". Tainá ainda fala sobre a personalidade doce de Will: "Ele era um cara excepcional. Ele só tinha tamanho e marra de gente grande, mas quem conhece ele de verdade sabe o coração que ele tinha e o quanto ele era meninão. Não era amiga de reggae dele, não andava pra cima e pra baixo com ele. Eu era a amiga de infância, eu era amiga de verdade. Eu vibrava por cada momento importante e feliz que ele tinha. Essa amizade era recíproca e eu posso dizer com toda certeza do mundo que ele sabe o quanto eu era de verdade pra ele". 

Antônio Jorge também era amigo de Will, e falou sobre as qualidades familiares do rapaz: "Era um amigo de verdade, um excelente pai, filho. Um cara que perdeu a vida sem motivos e hoje deixa muitas saudades a todos que o conheceu. Daqui a 50 anos ele será lembrado como se fosse hoje". Eniele dos Santos, mãe das duas filhas de William, falou um pouco sobre como as garotas ficaram com a partida do pai: "William partiu deste mundo e para trás deixou o coração de suas filhas despedaçados. Elas sentem tantas saudades de tudo que viveram juntos, e tristeza por tudo que não tiveram tempo para viver. O que me conforta como mãe das filhas dele é saber que apesar desta despedida cedo demais eu tive a oportunidade de aprender a ser uma pessoa melhor com ele. William sempre foi um homem exemplar e o melhor pai que elas poderiam ter. Seus ensinamentos vão nos acompanhar sempre, assim como a sua preciosa memória, e lutarei todos os dias pela justiça, em nome do amor que ele tinha pelas filhas".

Irmã do ex-empresário da Black Style, Ellen Oliveira afirmou que sempre vai sentir saudades dele: "Como expressar em palavras aquilo que os meus olhos derramam em lágrimas, como expressar em palavras a dor? Um ano que se foi, meu irmão, e deixa um vazio enorme dentro de mim e em minha vida. Nada que eu venha a fazer de agora em diante me trará plenitude, pois sempre faltará ele para celebrar comigo. Saudades eternas". 

Recentemente, a defesa do acusado protocolou uma petição no juiz de primeiro grau pedindo a revogação da prisão preventiva de Iuri com base em laudos médicos que supostamente comprovariam que ele sofre de doenças respiratórias e de que a Cadeia Pública do Complexo Penitenciário da Mata Escura, onde ele está preso, não teria condições adequadas de salubridade. Ao BNews, Bomfim disse que o magistrado ainda vai analisar o pedido e destacou que uma nova audiência do caso está prevista para setembro deste ano, quando serão feitas as oitivas das testeinhas. Só depois, a Justiça vai decidir se pronuncia ou não o acusado, ou seja, se ele vai ou não a júri popular.

Matérias relacionadas:
Audiência que decide se Iuri Sheik iria a juri popular é adiada
Audiência do caso Iuri Sheik dia 24 terá oitiva de testemunhas; advogados se manifestam 

Caso Iuri Sheik: Família de empresário assassinado faz “vaquinha” na internet para pagar advogado
Vídeo: Iuri Sheik se entrega no DHPP em Salvador

Após ficar doente na cadeia, Iuri Sheik pode ser beneficiado com liberdade provisória
“Não tinha rixa com ele”, diz Iuri Sheik ao chegar à delegacia

Iuri Sheik tem pedido de relaxamento de prisão negado
Advogado de Sheik nega manuseio do Instagram pelo influencer dentro do presídio
Acusado de matar empresário, Iuri Sheik tem Habeas Corpus negado
Com morte de empresário, Iuri Sheik deve passar a responder por homicídio; relembre o caso

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Leia os termos de uso

jusnews

Na Sombra do Poder

PodCast

Mais Lidas