Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Justiça

Indicado ao STF por Bolsonaro, Kassio Nunes é sabatinado no Senado; acompanhe ao vivo

[Indicado ao STF por Bolsonaro, Kassio Nunes é sabatinado no Senado; acompanhe ao vivo]
21 de Outubro de 2020 às 09:34 Por: Divulgação Por: Redação BNews

Começou por volta das 8h, a sabatina do juiz federal Kassio Nunes Marques, o primeiro indicado ao Supremo Tribunal Federal (STF) por Jair Bolsonaro. A sessão deve durar entre 8 e 10 horas na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). A expectativa é da presidente do colegiado, senadora Simone Tebet (MDB-MS), que defendeu nesta terça-feira (20) o “amplo debate” no colegiado e reforçou que todos os 81 senadores poderão apresentar questionamentos ao juiz.

Ele deverá ocupar a vaga deixada em decorrência da aposentadoria compulsória de Celso de Mello.

Assista a sabatina ao vivo

A primeira parte da sabatina foi dedicada à exposição do indicado. Neste momento, parlamentares fazem suas perguntas ao desembargador e, desta vez, a presidente da CCJ decidiu que elas não serão em bloco, como tradicionalmente ocorre. Hoje, à medida em que estão sendo feitos, os questionamentos são respondidos por Kassio Nunes. Mais de 30 senadores já estão inscritos e cada um tem até dez minutos para apresentar suas perguntas. O indicado terá o mesmo tempo de resposta.

Votação

Na CCJ, a indicação precisa ser aprovada pela maioria simples dos membros, ou seja, a maioria dos presentes à reunião. A comissão é formada por 27 parlamentares. Caso o resultado seja favorável à indicação, o parecer da CCJ será encaminhado ao plenário da Casa. Lá, Kassio Marques precisa da aprovação de pelo menos 41 dos 81 senadores para ser o novo ministro do STF. A sessão deve ser realizada ainda hoje. Se aprovado, Nunes ocupará a vaga deixada em decorrência da aposentadoria compulsória do ministro Celso de Mello.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso