Polícia

GPS das viaturas e laudos cadavéricos embasaram conclusão sobre mortes no Cabula

[GPS das viaturas e laudos cadavéricos embasaram conclusão sobre mortes no Cabula]
19 de Maio de 2015 às 06:51 Por: Paulo M. Azevedo/Bocão News Por: Tony Silva (twitter: @Tony_SilvaBNews)

Segundo o inquérito do Ministério Público do Estado da Bahia, apresentado em entrevista coletiva nesta segunda-feira (18) na sede do órgão, sobre a morte dos 12 jovens na Estrada das Barreiras, no Cabula, diversas provas apontam a culpa dos policiais envolvidos. As viaturas, que desligaram os GPS's e os laudos cadavéricos, que mostram algumas das vítimas com tiros nas mãos e na cabeça de cima para baixo e em locais que sugerem a posição inferior ao atirador, para o MP, são provas irrefutáveis.

A comissão deixou claro que esse é apenas início do processo ao processo já protocolado no 1º juízo, da 2ª vara do jure da capital.

O Ministério Público ofereceu, na manhã desta segunda-feira (18), denúncia contra nove policiais militares envolvidos na execução de 12 pessoas e lesões provocadas em outras seis durante ação realizada na madrugada do último dia 6 de fevereiro.

Os policiais foram denunciados pelos crimes de homicídio qualificado, tentativa de homicídio e concurso de pessoas. Os promotores de Justiça Davi Gallo, José Emmanoel Lemos, Cassio Marcelo de Melo e Ramires Tyrone, autores da denúncia, pediram ainda a Justiça a prisão preventiva dos nove denunciados, a fim de garantir a ordem pública e o regular andamento do processo, e a realização de reprodução simulada

 A denúncia teve por base o Procedimento Investigatório Criminal instaurado pelo MP, o Inquérito Policial Militar e peças extraídas do Inquérito Policial.

 

Publicada no dia 18 de maio de 2015, às 17h

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar