Polícia

Site barra vaquinhas para tirar agressor de Bolsonaro da prisão

[Site barra vaquinhas para tirar agressor de Bolsonaro da prisão]
11 de Setembro de 2018 às 08:06 Por: Divulgação/Assessoria de Comunicação do 2° BPM Por: Redação BNews

Após o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) ter sido atingido por uma facada enquanto fazia campanha em Juiz de Fora na última quinta-feira (6), 21 vaquinhas virtuais relacionadas ao agressor Adelio Bispo de Oliveira foram criadas em apenas um site de financiamento coletivo, conforme informou a Coluna do Estadão Conteúdo.

Dessas, 20 delas eram destinadas em grande parte a ajudar a pagar os honorários dos seus advogados. Há quem tenha pedido dinheiro, até mesmo, para fazer uma estátua do agressor. 

Os sócios do site Vakinha, um dos maiores do gênero no País, bloquearam todas as campanhas com esse teor por “não estarem alinhadas com os termos de uso da página na internet”.

Uma das vaquinhas era denominada “ajude Adélio a sair da prisão”. Segundo o sócio-fundador do site de crowdfunding, Luiz Felipe Gheller, a empresa suspende contribuições consideradas “apologia ao crime ou incitação à violência”.

As vaquinhas pediam contribuições para atingir metas que variavam de R$ 2 mil a 30 mil. O site informou ter suspendido as vaquinhas pró e contra o agressor de Bolsonaro antes de iniciar a arrecadação.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar