Polícia

Associação de procuradores do MP pede investigação contra Mandarino por fala sobre maconha

Divulgação

Grupo diz que secretário de segurança pública fez uma defesa pública do consumo da droga

Publicado em 20/05/2022, às 21h51    Divulgação    Daniel Brito

A Associação Nacional de Membros do Ministério Público – MP Pró-Sociedade entrou nesta quinta-feira (19) com uma representação criminal na Procuradoria-Geral de Justiça da Bahia contra o secretário estadual de Segurança Pública, Ricardo Mandarino, por seus comentários feitos sobre o uso da maconha durante um evento internacional.

"Eu tenho amigos que dizem que fumam cigarro de maconha todos os dias para dar uma relaxada", disse na ocasião.

No documento, a entidade afirma que Mandarino realizou uma defesa pública do consumo da substância como meio para libertação e criatividade das pessoas humanas, "o que configura um passo além daquilo que permitido pelo ordenamento jurídico brasileiro".

"Agrava-se ainda o fato de ter vindo de uma autoridade pública que em sua posse jurou defender a Constitução e respeitar as leis de seu país, no caso, a legislação federal que reprime tanto o comércio quanto o consumo de substância ilícita entorpecente", disse a associação.

Ainda na avaliação da MP Pró-Sociedade, a marca da publicidade está presente na conduta do secretário, pois ele fez seu discurso em um congresso internacional sobre segurança pública "e ainda o divulgou em sítio institucional da pasta que titulariza", em referência ao canal da Superintendência de Prevenção à Violência (SPREV), braço da SSP, onde o vídeo está hospedado.

Leia também:

O grupo acionou a Procuradoria-Geral de Justiça do Estado por Mandarino ter prerrogativa de foro perante o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) devido ao cargo que ocupa.

Durante o evento, enquanto discursava sobre o poder do tráfico de drogas e a quantia de dinheiro que a criminalidade movimenta com o comércio ilegal, o secretário afirmou que não estava defendendo a liberação da maconha, mas propondo aos demais palestrantes a pensar em uma política pública que ajudasse a acabar com a criminalidade.

Após a repercussão negativa das suas falas, o chefe da Segurança Pública na Bahia disse que elas foram tiradas do contexto "para distorcer a inteligência do que foi dito".

A MP Pró-Sociedade é conhecida por ser composta por juristas alinhados ideologicamente com o governo do presidente Jair Bolsonaro (PL). Em 2021, o grupo chegou a pedir que Bolsonaro declarasse estado de defesa por causa da crise da Covid-19.

Siga o BNews no Google Notícias e receba os principais destaques do dia em primeira mão.

Classificação Indicativa: Livre