Brasil

Polícia faz operação para sequestrar bens da milícia

[Polícia faz operação para sequestrar bens da milícia]
14 de Fevereiro de 2019 às 06:00 Por: Reprodução / TV Globo Por: Redação BNews 0comentários

A Polícia Civil realiza na manhã desta quinta-feira (14) operação para tentar prender 20 suspeitos de ligação com a milícia e para sequestrar bens da organização criminosa, no valor total de R$ 4,8 milhões. A investida, do Departamento de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro, cumpre também 18 mandados de busca na capital e na Baixada Fluminense.

Segundo o G1 Rio, um dos procurados é Luiz Antônio da Silva Braga, o Zinho, irmão do miliciano Wellington da Silva Braga, o Ecko, suspeito de integrar uma milícia em Campo Grande. Os suspeitos respondem coletivamente por organização criminosa, além de outros crimes específicos para cada um - como extorsão, porte ilegal de arma, tráfico de drogas e agiotagem.

Ainda conforme o G1, a polícia pretende atacar os métodos utilizados pela milícia para lavar o dinheiro adquirido com a cobrança de taxas de segurança, de compras de botijões de gás e outras taxas para luz, telefone e internet clandestina em diversas comunidades e bairros do Rio. Quatro endereços já tiveram o sequestro decretado com autorização da Justiça. Nenhum desses imóveis, segundo a Polícia Civil, está em nome dos suspeitos. Todos eles, de acordo com as investigações, possuem imóveis incompatíveis com seus rendimentos: uma mansão de Luiz Antônio da Silva Braga, o Zinho, no Recreio dos Bandeirantes, avaliada em R$ 1,7 milhão; Um sítio em Seropédica, na Baixada Fluminense, que pertence a Danilo Dias Lima, chefe da milícia que atua no município e também em parte de Nova Iguaçu, avaliado em R$ 1,3 milhão;
A casa de um policial em Campo Grande, na Zona Oeste, no bairro Rio da Prata, avaliada em R$ 1 milhão; Um imóvel no Centro de Itaguaí, também de Danilo Dias Lima, avaliado em R$ 850 mil.

A operação conta com apoio da Delegacia de Repressão a Ações Criminosas (Draco), Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) e Batalhão de Ações com Cães (BAC) da Polícia Militar do Rio.

Casa avaliada em R$ 1,7 milhão
A casa de Luiz Antônio da Silva Braga, que é empresário, é avaliada, segundo a Polícia Civil, em R$ 1,7 milhão. O imóvel é localizado em um condomínio no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste. Em novembro, o Disque Denúncia aumentou para R$ 10 mil a recompensa para informações que levem à prisão de Ecko, um dos homens mais procurados do Rio de Janeiro desde 2018. Ele assumiu o comando do grupo depois da morte do irmão, Carlos, conhecido como "Carlinhos Três Pontes", durante operação da Polícia Civil em 2017.

Luiz Antônio da Silva Braga já foi citado em outras investigações sobre a lavagem de dinheiro do grupo: ele é sócio da Macla Extração e Comércio de Saibro. O Ministério Público e a Polícia Civil acreditam que a empresa é utilizada para lavar o dinheiro do grupo.

Luiz Antonio foi preso pela Draco em 2015 acompanhado por dois seguranças – um deles policial militar. O empresário acabou liberado no Plantão Judiciário. A relação entre o irmão de Ecko e a lavagem de dinheiro da milícia foi revelada na série Franquia do Crime, do G1, que mostrou ainda que 2 milhões de pessoas viviam em áreas dominadas por milícias no Rio de Janeiro e na Região Metropolitana, incluindo a Baixada Fluminense e o município de São Gonçalo.

Em 29 de agosto de 2018, a Polícia Civil tentou cumprir um mandado de prisão contra Zinho em um sítio no Espírito Santo. O irmão de Ecko conseguiu fugir pela mata, mas a polícia apreendeu o celular dele, deixado no momento da fuga.

No dia 1 de fevereiro, o sigilo foi quebrado e foi divulgada a decisão da juíza Regina Celia Novais, da 1ª Vara Criminal de Santa Cruz, determinando a prisão de Ecko e mais 42 pessoas acusadas de pertencer à milícia de Campo Grande e Santa Cruz, na Zona Oeste, também com atuação em municípios da Baixada Fluminense. Herdeiro da Liga da Justiça, Ecko segue foragido.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Leia os termos de uso

jusnews

Na Sombra do Poder

Eduardo Entrevista

Mais Lidas