Política

Wagner aponta influência da Odebrecht no fim do mandato de Souto

Ex-governador lembrou de acordo firmado entre o governo e a empresa há quatro dias de tomar posse

Publicado em 09/05/2017, às 18h37    Reprodução    Eliezer Santos e Victor Pinto

Além de revelar que barrou tentativa de operação de propina da Odebrecht por obra durante a sua gestão, o ex-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico da Bahia, Jaques Wagner (PT), também apontou fortes influência da empreiteira investigada pela Lava Jato nos mandatos anteriores ao seu, iniciado em 2007.

Segundo ele, nos últimos dias da gestão de Paulo Souto (DEM), o governo assinou com a Odebrecht a assinatura da PPP (Parceria Público Privada) para a construção do emissário da Boca do Rio no dia 27 de dezembro 2006. “Faltavam quatro dias para eu ser governador. Quando assumi, mandei recalcular e derrubei o preço em R$ 119 milhões. A primeira reunião com secretários eu disse: ‘se alguém fizer mal feito, procure seu advogado”.

O petista participou, nesta segunda-feira (8), do programa Se Liga Bocão da rádio Itapoan FM.

Publicada originalmente às 20h em 08/05/2017

Classificação Indicativa: Livre