Política

Ponte Salvador-Itaparica: governo lança projeto de R$ 7 bilhões

Imagem Ponte Salvador-Itaparica: governo lança projeto de R$ 7 bilhões

Obra, cujos estudos somam R$ 3 milhões, será viabilizada através de PPP

Publicado em 30/09/2011, às 07h03        Caroline Gois


R$ 7 bilhões. 11,7 km de extensão. Seis vias de circulação e duas de acostamento. 27 metros de largura. Estas são as principais características da ponte que, provavelmente, irá ligar Salvador à Ilha de Itaparica a partir de 2018, segundo projeto lançado na tarde desta quinta-feira (29), pelo Governo do Estado, no Centro Administrativo da capital  baiana.

O anfitrião, o secretário de planejamento do estado, Zezéu Ribeiro, abriu a ocasião apresentando o que o governo chamou de Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) do Sistma Viário Oeste (SVO) - que integra a ponte Salvador-Itaparica, além da duplicação das BA's 001 e 046, nos trechos entre Bom Despacho, Nazaré e Santo AntÔnio de Jesus. "A ponte é o indutor de crescimento da Bahia", ressaltou Zezéu. A intenção é que a partir da duplicação das BA's seja implatada uma nova rodovia ligando os municípios de Santo Antônio de Jesus e Castro Alves e, a partir daí, a duplicação da BA 493 até o entrocamento com a BR 116. "Queremos gerar emprego, renda e mais qualidade de vida para quem mora na Ilha", afirma o secretário de planejamento.
A obra, que será viabilizada através de uma Parceria Pública e Privada (PPP), com repasses que serão distribuídos entre o governo, prefeitura e privado, teve estudos realizados por dois grupos de empresas: Planos Engenharia (Queiroz Galvão e Carlos Suarez Participações); e o consórcio constituído pelas empresas OAS, Camargo Corrêa e Odebrecht Transport, que teve o projeto escolhido. Os estudos podem ser aproveitados no desenvolvimento do projeto e custaram R$ 3 milhões. "Este valor será rateado entre elas após aprovação final que terá o resultado divulgado no Diário Oficial", explica Zezéu.

Com relação à participação do estado e do município nos R$ 7 bilhões, Jaques Wagner disse que este rateamento ainda não foi definido. "Não podemos perder oportunidades. Não temos hoje este dinheiro. Mas o que faz dinheiro é um bom projeto". Um estudo ainda será feito para analisar os danos que este tipo de estrutura pode causar ao meio ambiente. "Existe uma preocupação particular que não haja degradação da cultura e do ambiente da ilha", destaca Wagner. O prefeito de Vera Cruz, Antônio Magno, comemorou. "A expectativa é grande. Até quero convidar nosso governador a morar na ilha depois da ponte", brinca.
E, alfinetadas nã faltaram. O representante do prefeito de Itaparica, Roberto Leve, chegou ao local quando a apresentação dos slides já havia começando. Sem perder a brincadeira e aproveitando o gancho, Zezéu dispara. "Quero agradecer à presença, mesmo com atraso, do procurador do gabinete de Itaparica. Deve ter sido culpa do ferry".  O governador logo retrucou: "Apesar do sistema ferry-boat apresentar deficiências temos buscado melhorar". E confirmou que o ferry-boat irá continuar após a implementação da ponte.
Apesar dos elogios disparados pelo prefeito João Henrique, que parabenizou duas vezes Jaques Wagner, o governador não deixou de registrar que Salvador tem a segunda menor renda per capita do país. "Salvador precisa se desenvolver mais e empregos precisam ser gerados", completa.

o secretário de comunicação, Robinson Almeida, o secretário do Turismo, Domingos Leonelli, o Deputado Federal Nelson Pelegrino (PT) e a Secretária da Casa Civil, Eva Chiavon, também marcaram presença.
A previsão é que os trabalhos comecem em 2014, em plena copa e durem cinco anos. O importante e o que se espera é que a população não fique mais de uma década à ver navios.

Veja o vídeo demonstrativo:


Fotos: Paulo Macêdo/Bocão news
Matéria publicada dia 29 às 17h32

Classificação Indicativa: Livre