Política

Tido como ambíguo no mercado, Haddad quer moderado na Fazenda

[Tido como ambíguo no mercado, Haddad quer moderado na Fazenda]
19 de Setembro de 2018 às 07:18 Por: Ricardo Stuckert / Divulgação Por: Folhapress

Candidato do PT ao Planalto, Fernando Haddad procura um não economista, de perfil moderado e independente, para o comando do Ministério da Fazenda caso seja eleito em outubro.

A busca segue o roteiro de um convite que ele mesmo recebeu, há pouco mais de um ano, do ex-presidente Lula.

Antes de ser preso, o petista disse que, se vencesse a disputa, queria Haddad como chefe de sua equipe econômica.

A avaliação de Lula, compartilhada pelo seu herdeiro político, é que a pluralidade das escolas econômicas deve estar representada no governo, mas o ministro da Fazenda não pode ser muito atrelado a nenhuma delas.

Agora candidato, Haddad procura sua alma gêmea.

Quer um nome com formação econômica, mas não um economista clássico. Que seja pragmático e, ao mesmo tempo, flexível para resolver problemas sem se aprisionar a dogmas das escolas tradicionais, em meio à disputa entre ortodoxos e heterodoxos.

O governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), por exemplo, ficou identificado com os ortodoxos da PUC-Rio, que criaram o Plano Real em 1994. Já os heterodoxos ganharam destaque a partir da crise de 2008, durante os governos Lula e Dilma Rousseff.

A ideia de Haddad é encontrar um perfil no meio deste caminho, que dialogue com as diferentes linhas econômicas, mas também com o empresariado e os investidores.

Como prefeito de São Paulo, o petista escolheu Marcos Cruz, forjado na cultura empresarial de Jorge Paulo Lemann, para assumir sua Secretaria de Finanças, e Leda Paulani, heterodoxa formada na USP, para a Secretaria de Planejamento.

Quem o conhece diz que esse é o resumo de Haddad e que o exemplo de perfis pode ser replicado no Planalto.

Nas últimas semanas, o candidato tem conversado com economistas fora do espectro político do PT e mais alinhados ao pensamento pró-mercado, como Samuel Pessôa e Marcos Lisboa, mas também coordenou o programa de governo petista, considerado radical por investidores.

A ambiguidade provoca dúvidas no setor financeiro, já que o programa do PT, chancelado por Lula, foi elaborado por nomes como Marcio Pochmann, Nelson Barbosa, Luiz Gonzaga Beluzzo e Guilherme Mello e, segundo críticos, aponta para o excesso de intervenção na economia.

Pochmann, que se afastou do núcleo da equipe econômica, já declarou que o PT não daria prioridade a uma reforma da Previdência, considerada essencial pelo mercado.

Haddad, por sua vez, desautorizou o correligionário durante sabatina promovida pela Folha, UOL e SBT, nesta segunda-feira (17), e disse que Pochmann tinha uma visão "independente" sobre o tema.

O temor do mercado tem alimentado especulações, como a queda do preço de ações e a desvalorização do real, quando Haddad cresce nas pesquisas --ele aparece com 13% no Datafolha, empatado numericamente com Ciro Gomes (PDT) em segundo lugar.

Com aval de Lula, alas do PT defendem que Haddad não faça acenos ao mercado no primeiro turno e evite sinalizar com um nome de peso para a economia desde agora.

O grupo próximo a Haddad, porém, monitora o crescimento de Jair Bolsonaro (PSL). A avaliação é que pode ser preciso antecipar o movimento ao centro contra o avanço do antipetismo pregado por ele.

O sentimento contra o PT ganhou espaço entre investidores que, seduzidos pelas ideias liberais de Bolsonaro, temem que, se eleito, o PT faça um governo de vingança contra o mercado.

Três tópicos do plano petista são especialmente sensíveis ao setor produtivo: revogar a lei que estabelece teto para os gastos públicos, taxar bancos para que baixem os juros e a falta de urgência para uma reforma da Previdência.

A principal dúvida é sobre a influência que setores mais radicais do partido terão em um eventual governo Haddad.

Aliados do ex-prefeito afirmam que Lula será o responsável por "controlar o PT" e que a sigla é suficientemente pragmática para separar governo da atuação partidária.

Haddad quer ecoar a tese de que seu perfil conciliador não dará espaço para rompantes radicais e que há, inclusive, a possibilidade de acordos com mercado e outros partidos.

Quem acompanhou a discussão interna do programa de governo do PT aposta que, se eleito, Haddad levaria um "empresário amigo" para a Fazenda, como o presidente do conselho de administração do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, ou o presidente da Coteminas, Josué Alencar.

Além disso, dizem, há discussão dentro do PT sobre a criação de uma regra para substituir o teto de gastos e uma reforma da Previdência focada no setor público.

 

QUEM FAZ A CABEÇA DE HADDAD NA ECONOMIA
Guilherme Mello
Professor da Unicamp, ligado ao grupo de Luiz Gonzaga Belluzzo e Marcio Pocchman, é o porta-voz do PT destacado para falar em nome do partido durante a campanha

Marcio Pochmann
Doutor em economia e pesquisador da Unicamp, foi presidente do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) nos governos Lula e Dilma. Foi o principal colaborador do programa econômico de Haddad, ouvindo e condensado ideias de diferentes correntes petistas

Samuel Pessôa
Distante do PT e mais próximo do PSDB, Pessôa tem trocado ideias com Haddad, de quem foi colega no colégio Bandeirantes e também no mestrado de economia da USP

Marcos Lisboa
Mais distante, o presidente do Insper é um dos que enviaram artigos e referências ao candidato no mês passado

Nelson Barbosa
Professor da FGV-Brasília, ex-ministro de Dilma Rousseff é um dos intelectuais do PT ouvido por integrantes do partido na área econômica. Ficou distante da elaboração do programa econômico do candidato

O próprio Haddad
Mestre em economia pela USP, professor licenciado do Insper, Haddad participou da gestão financeira da prefeitura de Marta Suplicy, em São Paulo. Aliados dizem que ele é o seu próprio fiador na área econômica

 

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar