Política

Testemunha de Daniel Silveira no Conselho de Ética chama autoridades de "estrume" e ataca ministro do STF

[Testemunha de Daniel Silveira no Conselho de Ética chama autoridades de "estrume" e ataca ministro do STF]
10 de Junho de 2021 às 12:49 Por: Reprodução/Facebook Por: Redação BNews

Testemunhas de defesa do deputado federal Daniel Silveira (PSL) no âmbito de uma das três ações por quebra de decoro que o parlamentar responde no Conselho de Ética da Câmara, o ex-vereador pelo PSC e major da reserva da Polícia Militar, Elitusalém de Freitas pode ter prejudicado ainda mais a vida do bolsonarista na última quarta-feira (9).

Durante sua participação no processo, segundo o jornal O Globo, Elitusalém chamou o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, de "grande violador da Constituição". Moraes é responsável por inquéritos contra apoiadores radicais do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e determinou a prisão de Silveira. Na avaliação dele, o ministro não aceita ser criticado e instaurou uma apuração que "não é da competência dele".

Sem citar nomes, Elitusalém se referiu a autoridades como “estrume” e declarou que alguns integrantes da CPI da Pandemia, que apura as ações e omissões do governo federal durante a crise sanitária da Covid-19, deveriam estar presos.

"Autoridades que se portam como um pedaço de estrume, a senhora, com todo respeito, não me entenda mal, têm que ser tratadas pelo nome. E aí a gente vê uma vergonha que este país está passando, inclusive nesta CPI aí, onde autoridades que têm condutas deploráveis, que deveriam estar presas, estão inquirindo pessoas e se portando como juízes morais de alguém, onde não têm moral nenhuma para falar", disse, se referindo à relatora do caso, deputada Rosa Neide (PT).

Assista a momento abaixo, a partir dos 16 minutos e 32 segundos da oitiva: 

Também de acordo, na semana passada, outra testemunha de Daniel, o estudante de Direito João Daniel Silva, defendeu o gesto do deputado de quebrar uma placa com o nome de Marielle Franco, durante a campanha eleitoral de 2018. O estudante confrontou a relatora algumas vezes, e chegou a ser alertado pelo presidente do conselho, o baiano Paulo Azi (DEM). 

"Daniel Silveira não era deputado quando quebrou magistralmente a placa da senhora Marielle Franco, não porque era a placa com o nome dela jamais. Respeitamos aqui todo e qualquer ser humano. Mas porque era uma placa falsa que estava ali sobre uma placa verdadeira no centro histórico do Rio de Janeiro", afirmou. A vereadora e seu motorista foram mortos em março de 2018. O crime ainda não foi solucionado.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar