Política

População brasileira tem sido tratada como "rebanho", diz ex-presidente da Anvisa à CPI da Covid

[População brasileira tem sido tratada como "rebanho", diz ex-presidente da Anvisa à CPI da Covid]
11 de Junho de 2021 às 12:17 Por: Jefferson Rudy/Agência Senado Por: Luiz Felipe Fernandez

Convidado a depor na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, o ex-presidente da Anvisa, Cláudio Maierovitch, afirmou que a população brasileira tem sido tratada como "rebanho" nos últimos tempos, com a aposta do Governo Federal na tese da imunização coletiva. 

"[O termo] se aplica a animais e fomos tratados desta forma. A população brasileira tem sido tratada dessa forma, tentando produzir imunidade de rebanho às custas das vidas humanas", disse.

O médico sanitarista explicou que o que parece ser a "inexistência de um plano", na realidade é justamente uma estratégia pensada, que caiu ainda em março de 2020 em quase todos os lugares do mundo, entre eles Reino Unido, Estados Unidos e Bulgária - onde o presidente chegou a afirmar que o vírus morria com vodca. 

A doença contaminaria quase todo mundo e somente os mais fracos e vulneráveis morreria, o que segundo o médico se considerou como vantajoso sob a perspectiva econômica.

"Esta aparência de inexistência do plano, talvez revele muito mais, revele a existência de um plano, que parou em março de 2020, quando alguns felizmente poucos, líderes internacionais acreditavam que o melhor caminho para vencer a crise era que a doença se espalhasse rapidamente. Quem tivesse que morrer, morreria, e quem sobrevivesse continuaria tocando a economia", analisa.

"Como se diz, morreriam os mais frágeis, desonerando a previdência, serviços de saúde. Do ponto de vista econométrico poderia ser até um acontecimento positivo", complementou.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar