Política

HEDRM deixará de funcionar para dar lugar ao Instituto Couto Maia

[HEDRM deixará de funcionar para dar lugar ao Instituto Couto Maia]
24 de Janeiro de 2013 às 15:43 Por: Redação Bocão News (Twitter: @bocaonews)

A desativação do hospital referência em tratamento da hanseníase na Bahia, localizado em Águas Claras, tem causado descontentamento pela classe trabalhadora representada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Saúde da Bahia (Sindsaúde-Ba) e o Sindicato dos Médicos da Bahia (Sindimed), que protocolaram ofício no Ministério Público do Estado, na quarta-feira (23). O Hospital Especializado Dom Rodrigo de Menezes (HEDRM) deixará de funcionar para dar lugar à implantação do Instituto Couto Maia. O governo do estado decidiu implantar a gestão por Parceria Público Privada (PPP), visando a privatização do ICM, através de uma empresa escolhida por meio de licitação.
 

O secretário da Saúde, Jorge Solla, anunciou a desativação do hospital, em coletiva na tarde de ontem, sem discutir o caso com servidores e usuários a respeito da unificação dos dois hospitais e das consequências da fusão. Em nota, os sindicatos alertam que a proposta do governo do estado não foi submetida, como deveria, ao Conselho Estadual de Saúde. Para evitar o fechamento do hospital, o Sindsaúde-Ba e o Sindimed realizaram manifestações contra a decisão do secretário. Para as entidades sindicais, a gestão por PPP é uma forma de privatização do SUS e contribui para a precarização das relações de trabalho. Outra preocupação dos sindicatos e dos trabalhadores é se a fusão dos hospitais vai atender de forma ampla às necessidades da comunidade e dos pacientes de hanseníase, doença que exige tratamento específico.

Matéria originalmente publicada às 08h14 do dia 24/01.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar