Política

Bifurcação: cenário aponta para duas candidaturas de oposição

[Bifurcação: cenário aponta para duas candidaturas de oposição]
31 de Março de 2014 às 09:01 Por: Luiz Fernando Lima (twitter @limaluizf)

As candidaturas só deveriam ser anunciadas após as conferências partidárias que acontecem entre o final de junho e o início de julho do ano eleitoral, contudo - como mais uma prova do descompasso das leis eleitorais – os campos políticos já devem fechar as chapas nesta primeira quinzena de abril.

A ansiedade maior está no campo da oposição, onde o ex-governador Paulo Souto (DEM) e o ex-ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima (PMDB) duelam pela indicação. Na última semana algumas novidades movimentaram o cenário e os dados foram laçados.

Cabe ao prefeito de Salvador, ACM Neto anunciar o candidato que apoiará, mas assim como no grupo do governador Jaques Wagner (PT), a corda está esticada e qualquer derrapada trará consequência. Sendo a principal delas a ruptura com os peemedebistas Lúcio e Geddel Vieira Lima.

O lançamento de chapas separadas não chega a ser novidade. Aconteceu na eleição municipal. Neto saiu vitorioso e, em um cenário projetado dentro do próprio grupo político, poucos são os que apostam que em caso de duas candidaturas Geddel termine à frente de Paulo Souto.

Muitas conversas reservadas entre as lideranças estão acontecendo durante todo o fim de semana. De oficial existe a posição do PSDB que em reunião da Executiva Estadual retirou a sugestão – não é decisão porque não há imposição – de apoiar Paulo Souto. 11 dos 13 membros do colegiado ficaram com o ex-governador.

O deputado federal Antônio Imbassahy e o presidente da Câmara Municipal de Salvador Paulo Câmara foram os únicos que se opuseram a este posicionamento. Os dois defenderam a tese de que era melhor não se optar por um dos lados neste momento. A decisão cabe ao prefeito, que na conjuntura atual, foi alçado à condição de coordenador do processo.

Do lado peemedebista, o diretório e seus principais representantes, os irmãos Viera Lima, aguardam o cumprimento da “palavra” dada lá atrás. Lá atrás quando Souto recusou ser candidato, Neto teria confidenciado a Geddel que o ex-ministro seria o representante do grupo. Dias depois, o ex-governador desdisse e quis participar da disputa.

Tirando as fontes do PMDB, todas as outras apostam que a situação está resolvida e que Paulo Souto vem para a cabeça da chapa e João Gualberto (PSDB) será o vice. Falta apenas o ocupante da vaga para o Senado, sobre este não pairam dúvidas de que não será Geddel, mas nenhum outro nome foi aviltado. PV, PTN ou outro partido menor pode dar a solução.

Governo

Como disse durante o Carnaval, Jaques Wagner (PT), deve estar tranquilo, pois o “lado de lá” está bem mais enrolado. A tese dos petistas era de Neto estaria “valorizando a decisão” de indicar Geddel, mas tudo indica que não será este o desfecho.

Se confirmada as duas candidaturas, o confronto será no terreno relativamente mais interessante para os atuais comandantes do Poder Executivo estadual. Se por um lado Lídice da Mata (PSB) “tira” votos dos governistas, do outro Geddel e Paulo Souto disputarão os votos da oposição. Mas isso tudo é conjuntura e só no final da semana é que se espera uma definição concreta.
 

Publicada no dia 30 de março de 2014, às 15h52
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar