Coronavírus

“Torço para o prefeito não prorrogar decretos de fechamento de shoppings”, diz executivo

[“Torço para o prefeito não prorrogar decretos de fechamento de shoppings”, diz executivo]
Por: Arquivo BNews Por: Yasmin Garrido 0comentários

Desde março com os shopping fechados por decreto expedido pelo prefeito ACM Neto, os lojistas da capital baiana têm se mostrado inconformados com a manutenção das restrições, sem que haja flexibilização das medidas adotadas pela Prefeitura.

Em entrevista ao apresentador José Eduardo, da Rádio Metrópole, nesta segunda-feira (29), Ewerton Visco, que comanda a regional Norte e Nordeste da Aliansce Shopping Centers, aqui na estado à frente, por exemplo do Shopping da Bahia e do Parque Shopping, disse que espera e torce para que os decretos sejam flexibilizados nos próximos dias.

“Acredito e torço para que o prefeito, entre hoje e amanhã, não prorrogue os decretos de isolamento e abra essa janela para voltarmos aos poucos”. disse. Ainda de acordo com ele, os prejuízos têm sido incalculáveis e, em caso de abertura, os centros comerciais baianos vão retomar os serviços com o cumprimento de normas sanitárias.

Dos 40 shoppings sob a administração do executivo, 32 já foram reabertos, mantendo as restrições apenas na Bahia, Belo Horizonte e Maceió. “Reabrimos as unidades com limpeza a cada duas horas das escadas rolantes, higienização diária do sistema de ar condicionado, medição de temperatura dos clientes”, explicou.

Ainda  segundo Ewerton, a grande preocupação do setor é com o lojista, que tem tido prejuízos econômicos. “O sistema de drive-thru, que foi uma alternativa ao fechamento dos shoppings, não supre nem 3% das vendas. Alguns setores, como telefonia e lojas de eletrônico, têm mantido uma média boa de venda, mas os demais ficam prejudicados”, afirmou.

Para chegar a um acordo com a Prefeitura de Salvador, o executivo contou que tem tido reuniões com o gestor municipal e os lojistas da capital baiana, estabelecendo, entre outras coisas, que a reabertura dos shoppings não vai acontecer com o funcionamento das praças de alimentação.

“As praças e nenhuma outra estrutura de lazer vai reabrir imediatamente, concomitante à reabertura das lojas. Existe um protocolo de saúde específico para as praças e a expectativa é que elas voltem a funcionar apenas após 10 a 15 dias da reabertura dos centros comerciais”, garantiu.

Quanto à situação dos aluguéis das lojas, Ewerton Visco destacou que, desde março, quando foi decretado o fechamento dos estabelecimentos, não há cobrança de aluguel. “A cobrança existiu apenas do valor de março, que poderá ser quitado a partir de outubro em até seis parcelas. Já os meses em que os shoppings ficaram fechados, não cobramos, mesmo com a Justiça autorizando o pagamento de 30% do valor mensal pelos donos de loja. Nossa prioridade é preservar a saúde, inclusive econômica, do lojista”, concluiu.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Leia os termos de uso

jusnews

Na Sombra do Poder

PodCast

Mais Lidas