Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Coronavírus

Mourão avalia que "sacrifício" dos profissionais de saúde foi fundamental para administrar crise da Covid-19

[Mourão avalia que "sacrifício" dos profissionais de saúde foi fundamental para administrar crise da Covid-19]
30 de Outubro de 2020 às 13:59 Por: Antonio Cruz/Agencia Brasil Por: Henrique Brinco e Marcos Maia

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, opinou que o "sacrifício" dos profissionais da área de saúde, “que renunciaram de suas vidas pessoais”, para combater a pandemia do novo coronavírus foi fundamental no processo de administrar a crise provocada pelo vírus.
 
"Vamos lembrar que os prognósticos para o Brasil eram catastróficos. Pessoas iam morrer na rua, íamos recolher cadáveres em caminhões frigoríficos pela cidade ou pelos corredores dos hospitais. Isso não aconteceu pela capacidade de nossos profissionais e ao mesmo tempo pelo trabalho que estamos vendo aqui no Cimatec da Bahia", afirmou. 

Mourão participou nesta sexta-feira (30) da cerimônia de inauguração do Instituto de Saúde Avançado, no SENAI CIMATEC, em Salvador, onde exaltou a força do empreendedorismo e da inovação.  Durante seu discurso, o vice-presidente rememorou o início da crise sanitária provocada pelo Sars-Cov-2 e de como a doença se disseminou pelo mundo. 

"Face a revolução da modernidade que vivemos nos tempos modernos, onde temos a capacidade de nos deslocar rapidamente para qualquer ponto da terra, a difusão desta doença ocorreu em velocidade da luz. Rapidamente, ela, da china pulou para a europa e da europa para o nosso país. Aqui, nos preparamos para enfrentá-la pouco a pouco", disse.

Até as 13h desta sexta, segundo levantamento do consórcio de veículos de imprensa, o Brasil soma 159.104 mortes por coronavírus confirmadas. Os dados são contabilizados a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde. O país também acumula a marca de 5.499.875 milhões de casos confirmados da doença.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso