Eleições

Prestes a substituir Lula, Haddad tenta fazer acerto de contas com a periferia

[Prestes a substituir Lula, Haddad tenta fazer acerto de contas com a periferia]
10 de Setembro de 2018 às 07:21 Por: Folhapress Por: Folhapress

"Você foi um prefeito ruim. Mas vou te dar uma segunda chance", cravou Terezinha Santos, 71 no último sábado (8), na Cidade Ademar, zonal sul de São Paulo.

"Enfrentei muitas dificuldades", justificou-se Fernando Haddad, 55.

Vice de Luiz Inácio Lula da Silva e prestes a substituí-lo na corrida presidencial, Haddad (PT) tenta fazer um acerto de contas com a periferia na atual campanha. 

Dois anos atrás, foi acusado de ter negligenciado as áreas mais afastadas da capital e preocupar-se apenas com o centro expandido na fracassada campanha para a reeleição como prefeito de São Paulo, que perdeu no primeiro turno.

Dez minutos depois da cobrança da eleitora, sobre o canteiro de uma árvore e cercado por cerca de 50 apoiadores, Haddad voltou-se para ela, listou obras na região, como dois piscinões cobertos por uma praça, 3.860 apartamentos de um projeto habitacional, a duplicação de uma estrada e e duas unidades básicas de saúde.

"Só aqui reformamos o parque Sete Campos que estava todo detonado; O Hospital Santa Catarina, com os 240 leitos", elencava Haddad, quando foi interrompido por Terezinha.

"Eu sei", disse ela.

"Ah, isso a senhora sabia? E o resto? Então, não vem, não. Não vem. Porque eu sei o que fiz aqui. Às vezes o povo esquece. Mas quem fez não esquece", reagiu Haddad.

No sábado (8), ex-prefeito e eleitores da zona Sul de São Paulo fizeram um acerto de contas. 

Em sua primeira agenda de campanha na periferia da cidade desde a derrota de 2016, Haddad ouviu declarações de voto, elogios à beleza e também críticas.

Em Parelheiros, onde obteve apenas 17,5% dos votos na fracassada tentativa de reeleição, Haddad responsabilizou o ex-prefeito João Doria (PSDB) pela paralisação da construção do hospital da região.

Entreguei 85% do hospital pronto. Em dois anos, ele não conseguiu terminar a obra", repetiu.

Na periferia, Haddad também esbarrou no desencanto do eleitor.

"Chega de promessas", disse uma eleitora do Grajaú.

"Você já foi ao hospital daqui?", replicou Haddad.

Nos breves discursos realizados ao pé de um carro de som, ele chamou Michel Temer, Geraldo Alckmin e Doria de "o trio que parou o Brasil".

Segundo ele, "faz 24 anos que os tucanos mandam no governo estadual e não fazem absolutamente nada".

"Agora, o homem [Doria] prometeu teto trazer o metrô a Parelheiros e não entregou nem de Varginha. Não dá. Ele prometeu ficar até o fim do mandato, acabar com fila de creche, de exame. E sumiu. Pediu demissão", criticou Haddad.

Haddad deverá ser nomeado pelo PT candidato a presidente no lugar de Lula na próxima terça (11), último prazo estabelecido pelo TSE.

 

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar