Eleições

Associação dos delegados diz que troca na chefia da escolta de Bolsonaro é estratégica

[Associação dos delegados diz que troca na chefia da escolta de Bolsonaro é estratégica]
20 de Setembro de 2018 às 07:00 Por: Gabriela Korossy / Câmara dos Deputado Por: Folhapress

A ADPF (Associação dos Delegados da Polícia Federal) divulgou nota na noite de quarta-feira (19) dizendo que a troca na chefia da escolta do candidato Jair Bolsonaro (PSL), que sofreu um atentado em Juiz de Fora (MG), foi estratégica e não teve relação com o ataque. O candidato se recupera na unidade de terapia semi-intensiva de um hospital, em São Paulo.

Segundo a associação, a substituição de Daniel França por Antonio Marcos Teixeira “trata-se de uma decisão estratégica da instituição (Polícia Federal) e não guarda relação com os fatos ocorridos no dia 6 de setembro”, dia do ataque.

“Daniel França continuará exercendo suas funções apoiando a Coordenação de Proteção à Pessoa na segurança de candidatos à Presidência da República”, diz a nota. Daniel França é delegado há mais de doze anos.

“Especificamente na área de segurança de dignitários e autoridades, coordenou e/ou participou da segurança dos presidentes Lula e Dilma, em parceria com o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), da então ministra do Meio Ambiente Marina Silva e do então primeiro-ministro da Finlândia, Jyrki Katainen, entre outras autoridades nacionais e internacionais. ”

França foi criticado por policiais federais por não estar em Juiz de Fora no dia atentado contra Bolsonaro. A Folha questionou a PF sobre a ausência, mas não obteve resposta. A ADPF diz que ele estava em agenda oficial. 

“No dia do atentado ao candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro, Daniel França estava em Brasília por ter sido convocado pela Coordenação de Proteção à Pessoa para tratar de assuntos afetos à missão, tarefa compatível com sua atribuição de coordenação.”

A nota diz que França não conduziu qualquer investigação sobre ameaças ao candidato Jair Bolsonaro. 

A ADPF também trata do fato de os agentes da escolta do presidenciável estarem sem rádio no dia do incidente, o que foi revelado pela Folha nesta quarta (19).

“Quanto à utilização de rádios no dia do atentado, esses equipamentos fazem parte do rol de soluções de comunicação possíveis em operações de proteção aproximada. Contudo, a depender do cenário, como no caso de corpo a corpo em aglomerações, o seu emprego fica limitado”, diz o comunicado.

“Embora a aquisição de equipamentos modernos como pontos eletrônicos seja sempre o ideal a ser buscado, a falta deles não pode ser considerada como fator determinante. A extração do candidato do local do atentado até o hospital levou cerca de 12 (doze) minutos, o que foi reconhecido pela equipe médica como fundamental para a sobrevivência de Jair Bolsonaro. Portanto, não há reparos a serem feitos na atuação do dr. Daniel França e de sua equipe.”

 

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar