Eleições

Presidente do PT diz que ACM Neto "queima a largada" e não tem palanque nacional

[Presidente do PT diz que ACM Neto "queima a largada" e não tem palanque nacional]
11 de Abril de 2021 às 16:54 Por: Divulgação Por: Henrique Brinco

O presidente do PT em Salvador, Ademário Costa, criticou as declarações do ex-prefeito de Salvador e presidente nacional do DEM, ACM Neto, contra o ex-presidente Lula. Em um café da manhã virtual com jornalistas nesta sexta-feira (11), o herdeiro carlista afirmou que o líder petista, ainda que esteja habilitado para participar do processo eleitoral, "não vai decidir eleição na Bahia".

"O resultado das eleições presidenciais na Bahia desmontam as declarações de Neto sobre a influência de Lula. Nenhum dos resultados do que realmente aconteceu nos processos eleitorais nacionais na Bahia e sua correlação com as eleições para governo, senado, bancadas federal e estadual, sustentam as declarações de ACM Neto. Tentar confundir as eleições para prefeito com eleição para governador e presidente, é no mínimo desonestidade intelectual. As eleições estaduais e nacionais são eleições casadas, na Bahia sempre foram assim: Em 1994 e 1998 a vitória de FHC apoiada pelo DEM que fazia parte do mesmo projeto político fortaleceu o projeto carlista no estado. Em 2002, com a  primeira vitória do Lula no plano nacional e na Bahia, o PT com Jaques Wagner chegou em segundo lugar, a primeira vez que Lula venceu no Estado também foi a quando o  PT se consolidou como alternativa ao Carlismo, fato esse que levou o próprio ACM avô a tentar vincular sua imagem à de Lula e declarar voto no nosso candidato", avalia, ao BNews.

De acordo com Ademário, "nos anos seguintes, de 2006, 2010 e 2014 o fenômeno se repetiu com as vitórias de Lula, Dilma, Wagner e Rui". "2018 é  um ano marcante para fazer essa comparação, naquela eleição o eleitor Baiano votou contra Temer, contra o golpe e contra a prisão de Lula, e deu ao PT a maior vitória da história do partido na Bahia consagrando Rui e Haddad nas urnas", aponta. "As declarações do ex-prefeito são uma tentativa de se posicionar no cenário político depois dos acontecimentos na política nacional e local que dificultaram o caminho para a concretização de sua ambição de ser governador da Bahia. Ele contribui para enfraquecer a possibilidade de  constituir uma alternativa de centro direita a Bolsonaro quando apoiou Artur Lira e garantiu que o governo ganhasse as duas casas legislativas nacionais e ainda conseguisse a vitória política de rachar a centro direita, Neto liderou esse racha retirando o DEM do apoio à Baleia Rossi", continua.

O petista soteropolitano diz que Neto viu "seu fiel aliado ser alçado à condição de ministro desse governo desastroso sem que pudesse interferir no processo, óbvio que ele queria ser recompensado por ter dado as costas para Maia e toda a centro-direita , mas não queria que fosse tão evidente a sua participação nesse governo". "Nesse caso, o palácio do planalto foi mais esperto e colocou um  carimbo enorme de aliado em sua testa.E por fim e mais importante, viu Lula, a maior liderança política do país, ser alçado à condição e de favorito na disputa presidencial. Não sei se ele realmente disse exatamente as palavras que estão na matéria, mas se disse essa tentativa desesperada de apresentar uma narrativa que jogue uma cortina de fumaça e minimize todos esses fatos que quando somados apontam para um quadro duro para o processo eleitoral", alfineta.

E finaliza: "Não existe candidato a governador da Bahia sem palanque nacional, o PT e o seu time e Jaques Wagner já tem candidato e ele se chama Luiz Inácio Lula da Silva. Já ACM e o DEM, talvez tenham que apoiar o inominável. Não sei os motivos que faz uma pessoa tão experiente na política, que estreou na vida pública, como  herdeiro de uma dinastia forjada na ditadura, dizer esse tipo de coisa. Ao invés de mirar em Lula, talvez ele devesse olhar um pouco mais para o que acontece em sua própria base, para os sinais que ecoam da Câmara de Salvador".

Críticas
ACM Neto, que pode enfrentar o senador Jaques Wagner (PT) na corrida eleitoral de 2022 ao Palácio de Ondina, afirmou ter certeza que Lula não terá força. "Se você me pergutar se Lula vai ter foça pra decidir a eleição na Bahia, eu tenho certeza que não. Não quero dizer com isso que estou subestimando ninguém, mas acho que aquela coisa de 'ah, chegava Lula, apontava o dedo e automaticamente elegia alguém', isso não vai acontecer". 

Segundo ele, a escolha do próximo governador se dará mediante aspectos locais, de livre escolha da população. "Quem vai decidir a eleição é a Bahia. O nosso lance está aqui e a decisão que vai acontecer tem a ver com a Bahia". 

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar