Polícia

Rui diz que não vai admitir ações de possíveis milícias na Bahia

[Rui diz que não vai admitir ações de possíveis milícias na Bahia ]
24 de Maio de 2021 às 11:30 Por: Alberto Maraux/SSP-BA Por: João Brandão e Diego Vieira

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), afirmou que pediu "absoluto rigor" nas investigações das mortes de Bruno Barros e Yan Barros, tio e sobrinho, que foram entregues por seguranças do supermercado Atakarejo de Amaralina a traficantes da área depois de serem pegos furtando carne no estabelecimento. Em conversa com a imprensa na manhã desta segunda-feira (24), Rui disse que o mesmo pedido é feito às autoridades policiais em casos que possam significar o envolvimento de possíveis milícias ou grupos de extermínio no estado.  

"Não há diferença entre o adolescente que pega uma arma e vai roubar uma galinha ou vai roubar um supermercado ou aquele que mata os outros supostamente defendendo direito a propriedade. Se diferença houver é porque o outro é muito mais grave. Um crime praticado por um adulto, que não está no desespero econômico, ou seja, tem sua sobrevivência garantida. Não está excluído socialmente, está empregado em algum estabelecimento, empresa ou estado, está eventualmente se envolvendo com grupo de extermínio e isso na Bahia eu não admito e todas as vezes que exista a hipótese disso eu reitero ao secretário o máximo de rigor para que a gente não permita que o estado da Bahia tenha milícia como infelizmente existe em outros lugares do Brasil", afirmou. 

O governador reiterou ainda que espera que os responsáveis sejam devidamente punidos. "Não é razoável que crianças, adolescentes ou adultos sejam assassinados ou entregues ao tráfico para serem mortos dentro de um esquema que se aconteceu numa loja, acho pouco provável que isso esteja restrito apenas a uma loja, e sim, deve fazer parte de uma estratégia de segurança de empreendimentos. A apuração é quem vai dizer quem são os responsáveis e depois quem vai julgar é o Judiciário com bases nas provas. Tomara que levante a fundo os responsáveis independentemente de quem seja", disse.

Entenda o caso

Na noite do dia 26 de abril, dois homens foram achados mortos na localidade da Polêmica, em Salvador. De acordo com a Polícia Civil, eles foram torturados e atingidos por disparos de arma de fogo. À época, a polícia informou que a motivação do crime estava relacionada ao tráfico de drogas.

Um dia depois, no dia 27, eles foram identificados como Bruno Barros e Yan Barros. Já no dia 29 de abril, a mãe de Yan, Elaine Costa Silva, revelou que ele foi morto após ter sido flagrado pelos seguranças do supermercado Atakarejo por furtar carne no estabelecimento.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar