Política

Caetano Veloso é chamado de 'canalha' em queixa-crime de Olavo de Carvalho

[Caetano Veloso é chamado de 'canalha' em queixa-crime de Olavo de Carvalho]
16 de Maio de 2019 às 11:29 Por: Vivi Zanata/Folhapress Por: Folhapress 0comentários

O escritor Olavo de Carvalho, guru de Jair Bolsonaro, registrou uma queixa-crime contra Caetano Veloso após um artigo publicado pelo músico na Folha. 

O documento pede que Caetano responda pelos crimes de calúnia, difamação e injúria.

O advogado de Olavo, Francisco Carlos Cabrera, que assina a petição, refere-se ao músico como “canalha”, “delinquente travestido de colunista”, e diz que Caetano alega ter sido exilado (durante a ditadura), “mas nunca mostrou um documento”. 

A ação chegou há cerca de um mês no Foro Central Criminal da Barra Funda, em São Paulo. Em caso de condenação pelos três crimes, Caetano pode pegar até três anos e seis meses de prisão e ter que pagar uma multa.  

Olavo de Carvalho alega que o artista teria ofendido sua honra ao publicar artigo na Folha em outubro do ano passado. No artigo em questão, o músico baiano critica uma postagem de Olavo feita nas redes sociais pouco antes do segundo turno das eleições.

“Olavo de Carvalho sugere em texto que, caso Bolsonaro se eleja, imediatamente à sua posse seus opositores sejam não apenas derrotados mas totalmente destruídos enquanto grupos, organizações e até indivíduos”, escreveu Caetano.

Na publicação, Olavo havia escrito que ocorreria, com a vitória de Bolsonaro, a queda de “milhares de carreiras e biografias de políticos, intelectuais e artistas de esquerda” e que seria a “total destruição enquanto grupos, enquanto organizações e até enquanto indivíduos” dos representantes do atual esquema de poder. 

Para Caetano Veloso, no artigo, a postagem se tratava de um “autoritarismo matador” e Olavo seria “sub-Heidegger do nosso sub-Hitler”. “Considero o texto de Olavo incitação à violência. Vamos fingir que o candidato dele já venceu a eleição e, por isso, pode mandar matar quem não votou nele?”, perguntava no texto.

Na queixa-crime apresentada, a defesa de Olavo nega que ele tenha pregado a morte de alguém e explica que o que o escritor queria dizer era que a vida desses artistas ficaria mais difícil, “sem a mamata das leis de incentivos”.

Segundo o texto da ação, o músico imputa crime e se refere a frases nunca ditas por Olavo, com intuito de desacreditar a reputação do escritor, que mora nos Estados Unidos. “Caetano juntou diversos textos a seu bel prazer, foi recortando e colando da sua maneira, transformando tudo num cipoal que nem ele sabe como se explicar. A má-fé das interpretações é nítida”.

É o caso, segundo o advogado, das alusões ao nazismo: “Caetano acusa por linhas transversas Olavo e Bolsonaro de serem nazistas, pois os compara com Hitler e seus comparsas. Caetano é um delinquente e terá que provar suas acusações, ou o zeloso poder Judiciário estará sendo raso com quem lhe ataca”.

No documento de 27 páginas entregues ao Foro Central Criminal da Barra Funda, o advogado de Olavo de Carvalho diz ainda que Caetano seria “um caso de possível esquizofrenia”.

O texto afirma que o músico anda “com o que temos de pior nos segmentos políticos e empresariais” e presta um desserviço ao estado democrático de direito ao lutar pela liberdade de Lula. “Joga a opinião pública contra as instituições. Isso já pode e deve ser considerado crime de incitação à desordem social.”

Em trecho sobre a ditadura militar, a queixa-crime diz que Caetano “fugiu das suas responsabilidades cíveis e penais alegando ser exilado, mas nunca mostrou um documento como tal”.

Entre as testemunhas sugeridas pela defesa de Olavo estão o chanceler Ernesto Araújo, o ex-ministro da Educação Ricardo Vélez Rodriguez e o jurista Ives Gandra Martins. 

Na semana passada, o Ministério Público de São Paulo, por meio do promotor de justiça criminal Cassio Roberto Conserino, entendeu que a queixa-crime deve seguir tramitando e que os supostos crimes não prescreveram, mas pediu “reparos” à ação inicial registrada pelo advogado de Olavo de Carvalho. 

Agora, um juiz vai avaliar as alegações para prosseguir com o caso.

O advogado de Olavo de Carvalho, Francisco Carlos Cabrera, não respondeu à reportagem. Procurado, Caetano Veloso não quis comentar o caso.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Leia os termos de uso

jusnews

Na Sombra do Poder

Eduardo Entrevista

Mais Lidas