Política

Vitória da Conquista: "Não admito corrupção em meu governo", diz Sheila Lemos

BNews/Dinaldo Silva
"Não admito que desrespeitem meu nome, minha reputação e meu governo", diz Sheila Lemos  |   Bnews - Divulgação BNews/Dinaldo Silva
Henrique Brinco

por Henrique Brinco

[email protected]

Publicado em 26/04/2024, às 09h16 - Atualizado às 09h37



A prefeita de Vitória da Conquista, Sheila Lemos (União), reagiu após a Polícia Federal (PF) deflagrar a "Operação Dropout", que visa desarticular uma organização criminosa na Secretaria de Saúde

Inscreva-se no canal do BNews no WhatsApp

"Não admito corrupção em meu governo. Meu trabalho é pautado pela lisura nos recursos públicos", declarou a gestora, em um vídeo divulgado nas redes sociais na noite desta quinta-feira (25).

Sheila ainda atacou a cobertura da imprensa sobre o caso e disse que nenhuma mala com dinheiro foi encontrada em qualquer prédio público do município. "Não admito que desrespeitem meu nome, minha reputação e meu governo", ressaltou.

A quadrilha teria desviado recursos públicos empregados no combate e prevenção aos efeitos da pandemia (SARS-CoV-2). Os fatos teriam ocorrido durante a pandemia em 2020, em dispensas voltadas à aquisição de testes de detecção de antígenos do SARS-CoV-2 pelos métodos de fluorescência e imunocromatografia.

Segundo a PF, a denúncia foi apresentada em 2022 pela própria Procuradoria do Município de Vitória da Conquista, quando tomou conhecimento da possível fraude.

"A Procuradoria fez uma apuração interna e confirmou que os indícios que lhe foram apresentados eram consistentes, encaminhando, assim, a denúncia à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal", informou a corporação, em nota.
Além dos mandados judiciais, foi determinado também o bloqueio judicial no importe de R$ 2 milhões e trinta mil reais das contas e bens dos principais investigados, além da apreensão de objetos de grande valor. Os delitos apurados na operação são organização criminosa, lavagem de dinheiro, fraude licitatória, peculato e destruição de documento público, cujas penas máximas podem somar mais de 40 anos de prisão.

Classificação Indicativa: Livre

FacebookTwitterWhatsApp