Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Brasil

Menino baiano que se perdeu durante viagem de trem reencontra família 70 anos depois

[Menino baiano que se perdeu durante viagem de trem reencontra família 70 anos depois]
22 de Novembro de 2020 às 13:52 Por: Arquivo Pessoal Por: Redação BNews

O trabalhador rural Laudelino Martins da Silveira, mais conhecido como Seu Lau, morador do distrito de Parnaso, em Tupã, São Paulo, voltou a reencontrar a família após 70 anos, quando se perdeu durante uma viagem de trem aos 13 anos. A história dele foi compartilhada na internet e, com a ajuda de especialistas, encontraram parentes do idoso em Campinas, Adamantina e Pacaembu.

Uma das netas de Seu Lau contou ao G1 que um corte que ele tem na mão, fruto de um acidente com máquina de cana, foi uma das provas que ajudaram na identificação do parente desaparecido. O reencontro teve direito à comemoração dos 83 anos de Laudelino, desta vez, ao lado dos irmãos, tios, sobrinhos e primos.

Viagem
A família de Laudelino é composta por oito irmãos, sendo uma já falecida. Eles nasceram na região sul da Bahia e, em 1950, seu Lau, o pai e um irmão decidiram viajar para São Paulo em busca de melhores condições de vida.

A ideia, de acordo com a neta, era trabalhar para ter dinheiro e, posteriormente, buscar o resto da família. No entanto, em uma das paradas da viagem, no Rio de Janeiro, Laudelino se atrasou para voltar ao trem, que partiu sem ele. Ele contou ao G1 que, perdido, passou três dias andando sem rumo na Cidade Maravilhosa.

A cuidadora dele disse que um dos funcionários da estação percebeu que Laudelino estava perdido e o levou para um abrigo em São Paulo, onde ele ficou por cerca de cinco meses, até organizar uma fuga com um amigo, que deu errado e Seu Lau acabou em um abrigo para menores até os 187 anos.

Aos 17 anos, ele foi chamado para trabalhar na fazenda de um dos funcionários do abrigo no distrito de Parnaso, onde mora até hoje. Lá, ele conheceu a esposa, filha do patrão, casou-se e teve quatro filhos.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso