Cidades

Licitação do VLT: "Não existem as irregularidades alegadas", defende PGE-BA

[Licitação do VLT: "Não existem as irregularidades alegadas", defende PGE-BA]
14 de Setembro de 2018 às 06:36 Por: Divulgação Por: Redação BNews

A Procuradoria-Geral do Estado da Bahia (PGE-BA) afirma que vai apresentar a defesa do governo ao Tribunal de Contas do Estado (TCE-BA), que decidiu suspender a licitação para a Parceria Público-Privada (PPP) para implantação do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) no Subúrbio de Salvador.

O plenário do TCE-BA manteve o relatório do conselheiro Pedro Lino, que determinou a suspensão imediata dos efeitos da licitação realizada pelo Governo do Estado. O relator apontou indícios de irregularidade no edital de licitação. 

Em nota, a PGE-BA informou que não havia sido notificada até a noite desta quinta-feira (13). "A Procuradoria Geral do Estado (PGE) lamenta a posição do Tribunal de Contas (TCE), que indeferiu o pedido de prazo para a manifestação antes da decisão que ratificou a medida cautelar. No entanto, deve ser esclarecido que a deliberação do Pleno não esgota o processo de análise da referida medida. Somente após esta manifestação do Pleno, o Estado será notificado para se pronunciar, quando, então, exercerá o direito ao contraditório e ampla defesa. Tal processo será novamente submetido ao Pleno, já com os elementos apresentados pelo Estado", diz a procuradoria.

"Vamos analisar a decisão tão logo sejamos notificados, inclusive em relação ao direcionamento jurídico a ser adotado. Reafirmamos, contudo, que não existem as irregularidades alegadas pelo conselheiro relator, o que buscaremos comprovar no prazo que somente agora nos será concedido. Infelizmente o Pleno do TCE, ainda que em decisão não definitiva, sonegou ao Estado da Bahia a oportunidade de falar no processo, desconsiderando o amplo direito de defesa assegurado pela Constituição Federal. A despeito deste equivocado processamento, que traz prejuízo ao andamento deste projeto de grande interesse público, tenho plena e irrestrita confiança na capacidade dos eminentes conselheiros da Corte de Contas, que afastarão a referida decisão cautelar em julgamento definitivo", informou o procurador-geral do Estado, Paulo Moreno Carvalho.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar