Esporte

Copa do Mundo

[Copa do Mundo]
25 de Outubro de 2010 às 07:57 Por: Redação Bocão News

Um vídeo gravado por jornalistas do jornal britânico Sunday Times, divulgado neste domingo (25), flagrou o ex-secretário-geral da Fifa Michel Zen-Ruffinen dando nomes de diversos membros da entidade que seriam, segundo ele, facilmente subornáveis para obter seu voto para uma das candidaturas às Copas do Mundo (de 2018 ou 2022).
 
Zen-Ruffinen, de 51 anos, ofereceu-se, segundo a publicação, para fazer o papel de introdutor dos subornáveis por 210 mil libras (R$ 567 mil).

"X é uma boa pessoa, um cara legal, mas está disposto a cobrar”, afirma Zen-Ruffinen na gravação em um restaurante de Genebra, na qual os jornalistas se faziam passar por lobistas. "Y se interessa pelo dinheiro, podemos vê-lo e falar com ele, não há problema”, acrescenta o ex-secretário-geral da entidade. Sobre uma terceira pessoa, Zen-Ruffinen afirma que “é alguém que se pode ganhar com mulheres, não com dinheiro”.

Posteriormente, o ex-chefe da Fifa afirmou ao Sunday Times ser “totalmente contra” a corrupção. Na noite deste domingo, Zen-Ruffinen disse à AFP que está “absolutamente escandalizado” com o que ocorreu, e revelou que analisa “adotar medidas judiciais” contra o jornal. Zen-Ruffinen confirmou à AFP que manteve várias reuniões em Genebra com pessoas (os jornalistas disfarçados) que “me contrataram como assessor”.
 
“Fui contactado no início de agosto e eles me disseram que trabalhavam para uma agência de comunicação encarregada de promover a candidatura dos Estados Unidos-2018/2022”. Seguindo este objetivo, tivemos uma reunião em Genebra, a primeira que se vê no vídeo, onde analisamos a situação de cada um dos membros do Comitê Executivo e suas intenções de voto. Disse a eles que tinha a impressão de que alguns membros, cujos nomes não citei, eram pessoas influenciáveis”, explicou Zen-Ruffinen, que foi secretário-geral da FIFA até 2002.

A comissão de ética da Fifa já afastou, provisoriamente, dois membros de seu comitê executivo por suspeita de pedir dinheiro em troca de seu voto por uma das candidaturas, no escândalo descoberto pelo jornal Sunday Times: o nigeriano Adamu e o taitiano Reynald Temarii. Rússia, Inglaterra e as candidaturas conjuntas Espanha-Portugal e Holanda-Bélgica disputam a organização da Copa de 2018, enquanto Austrália, Japão, Coreia do Sul, Qatar e Estados Unidos querem receber a edição de 2022.
 
No dia 2 de dezembro, a Fifa anunciará os organizadores das duas edições. O Brasil sediará a Copa do Mundo de futebol em 2014. Informações AFP e EFE.

Foto: Reuters
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar