Mundo

Centenas entre feridos e mortos marcam confronto no Egito

[Centenas entre feridos e mortos marcam confronto no Egito]
08 de Maio de 2011 às 20:42 Por: Redação Bocão News e Agências
Pelo menos 232 pessoas se feriram e outras 12 morreram em um dos piores confrontos religiosos no Egito desde março, quando 13 fiéis morreram no incêndio de uma igreja, o que levou o governo local a prometer medidas duras para enfrentar a onda de violência. O incidente ocorreu em Imbala, no subúrbio da capital Cairo no final deste sábado.
 
"Aglomerações em lugares de adoração devem ser banidos para proteger os lugares sagrados, reforçar a segurança dos moradores e prevenir novos conflitos", disse o ministro da Justiça Abdel al Gindi, em uma comunicação lida na televisão estatal.
 
Ele prometeu usar "mão de ferro contra todos aqueles que forem contra a segurança nacional" e que "o governo aplicará de maneira imediata e firme as leis que castigam os ataques contra locais de culto e contra a liberdade de crença".
 
O Exército egípcio informou que 190 pessoas detidas serão apresentadas perante tribunais militares. Muçulmanos e cristão socorridos em hospitais mostraram a repórteres sinais aparentes de ferimentos a bala, e fontes médicas confirmaram pelo menos 65 feridos por tiros.

Rumores – O incidente aconteceu quando grupos de muçulmanos atacaram a igreja de Mar Mina ao crer que os cristãos mantinham presa ali uma mulher que tinha se convertido ao Islã para se casar com um jovem desse credo.
 
Segundo a televisão pública, as declarações que algumas das testemunhas fizeram tornam impossível estabelecer quem começou o confronto e de onde procediam os disparos. Também foram lançados coquetéis molotov. Os muçulmanos agressores pertencem à corrente dos salafis, uma das mais rigorosas do Islã e que a cada dia está ganhando mais terreno no Egito.
 
Os cristãos egípcios, majoritariamente coptas, representam 10% da população do país, calculada em cerca de 75 milhões de habitantes.
Periodicamente há incidentes armados entre cristãos e muçulmanos no Egito por razões religiosas, especialmente no sul do país, mas que começam a ser mais frequentes nesta capital.
 
"Deus sabe se essa história de converter uma garota é verdade ou boato mas, de qualquer maneira, ela não acrescenta ao Islã ou reduz o Cristianismo", disse à agência Reuters Dina Mohamed, uma dona de casa que vive perto da igreja de Santa Maria, incendiada durante o confronto.
Segundo testemunhas, o incêndio foi provocado por vândalos, e que moradores locais, inclusive salafis, tentaram apagar.
 
Neste domingo, um princípio de confusão entre cristãos e muçulmanos teve início em frente às ruínas, o que logo reuniu uma multidão, dispersada quando as forças de segurança fizeram disparos para cima.


//Com agências internacionais.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar