Polícia

Polícia Federal deflagra 'operação radar' em Ilhéus

[Polícia Federal deflagra 'operação radar' em Ilhéus]
14 de Abril de 2011 às 10:23 Por: Fidelis Tavares
A Polícia Federal de Ilhéus deflagrou na manhã desta quinta-feira (14), a ‘Operação Radar’, que visa o cumprimento de cinco mandados de busca e apreensão na Agência da Previdência Social em Ilhéus/BA e nas residências de possíveis envolvidos, com objetivo de colher provas no interesse de inquérito policial que apura fraudes contra a Previdência Social.
 
Estima-se que o prejuízo causado aos cofres públicos ultrapasse R$ 500 mil, o que deverá ser comprovado com a revisão dos benefícios considerados irregulares. A informação da PF é que são seis os possíveis envolvidos na fraude serão intimados pela Polícia Federal a prestarem depoimentos para esclarecimento dos fatos sobre as irregularidades que remontam ao ano de 2003.
 
A operação é resultado de investigação conjunta do Ministério da Previdência Social, Polícia Federal e Ministério Público Federal que teve início a partir de uma denúncia recebida pela Polícia Federal, em maio/2010. Segundo a denuncia, um servidor da Agência de Ilhéus estaria atuando irregularmente na intermediação e concessão de benefícios de várias modalidades mediante o recebimento de propina, principalmente pensão por morte, benefícios assistências e auxílio doença.
 
As investigações apontaram a possível atuação de quadrilha, com participação de membro de etnia indígena, que se utilizava de documentação falsa, inserção de dados fictícios nos sistemas da Previdência Social e de documentos com dados inverídicos para a obtenção de benefícios indevidos, inclusive para familiares.
 
O nome “Operação RADAR” é uma alusão ao acompanhamento das ações fraudulentas, via sistemas, efetuado pela Polícia Federal. Participaram da operação 30 policiais e 07 servidores do Ministério da Previdência Social.
 
Se comprovadas as irregularidades, os envolvidos poderão responder pelos crimes de estelionato, falsidade ideológica, falsificação de documentos e formação de quadrilha, com penas que podem chegar a seis anos de reclusão.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar