Política

Petistas admitem que partido terá dificuldades nas eleições de 2016

[Petistas admitem que partido terá dificuldades nas eleições de 2016]
12 de Maio de 2015 às 06:26 Por: Redação Bocão News (Twitter: @bocaonews)

Questionado eticamente por causa do mensalão e do Petrolão, sem o protagonismo político no Congresso — “eles só ganham uma quando nós temos pena”, afirmou o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) — e com a presidente da República refugiada para não ser hostilizada publicamente, o PT perdeu, nas palavras dos próprios petistas, a capacidade de inovar, enredando-se nos próprios problemas, o que agrava ainda mais o fosso onde a legenda está afundada.

Reportagem do jornal Correio Braziliense mostra que, a um ano do início das eleições municipais de 2016, o PT admite que as perspectivas a longo prazo são sombrias. “Estamos em uma agenda difícil, que não conseguimos superar. Se não atravessarmos esta fase, não poderemos falar de futuro. E nós precisamos falar de futuro, de investimentos, de virada de página”, admitiu o líder do governo no Senado, Delcídio Amaral (PT-MS).

A agenda difícil a que Delcídio se referiu inclui a aprovação do ajuste fiscal em tramitação no Congresso. E as medidas só agravam o pesadelo petista. Os aliados — incluindo o historicamente fiel PCdoB — cobraram dos petistas que “mostrassem a cara e defendessem o ajuste”, não deixando aos demais partidos da coalizão a pecha de responsáveis por ferir os direitos dos trabalhadores.

Na última quarta-feira (6), durante a votação da MP 665, que altera as regras do seguro-desemprego e do abono salarial, choveram sobre a cabeça dos deputados notas falsas de dólar com as esfinges de Dilma, Lula e do ex-tesoureiro da legenda João Vaccari Neto com a expressão “Ptrodollar”. No dia anterior, durante a propaganda eleitoral na televisão, um discurso datado, repetindo o mantra de inclusão social e manutenção de empregos, pouco empolgou os parlamentares.

“A propaganda do João Santana reforça a tese de que o PT não entendeu que o momento é outro”, reconheceu um parlamentar, que pediu para não ser identificado. “Na televisão o que se viu foi um discurso da campanha eleitoral de 2010, que levou Dilma pela primeira vez ao Planalto”, prosseguiu o parlamentar. O problema, segundo este petista, é que milhares de pessoas foram às ruas em 2013 pedir algo mais. “Eles nos disseram: fomos incluídos, não passamos mais fome, temos escola e emprego. Agora, queremos mais. E o PT está sem ter o que mostrar para esse povo”, acrescentou o filiado petista.

Na Bahia, o senador Walter Pinheiro (PT), que estaria de malas prontas para deixar o partido após 29 anos de filiado, defendeu na última sexta-feira (8), durante o velório de Rodolfo Tourinho, em Salvador, que o partido deve discutir a política de alianças para as eleições municipais.

“O PT lidera uma frente no governo do Estado. Portanto, pensar nas eleições municipais, mas não só em Salvador, óbvio que Salvador é muito importante por ser a capital, mas pensar nas outras cidades também. O PT tem que discutir como é que ele vai se comportar, inclusive, com aliados. E, em certa medida, for necessário ter que abrir mão para continuar com essa mesma frente, não vejo problema o PT pensar nisso”, defendeu.

 

Publicada no dia 11 de maio de 2015, às 11h

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar