Política

Legalização do aborto

[Legalização do aborto]
15 de Outubro de 2010 às 12:46 Por: Daniel Pinto

O deputado Luiz Bassuma (PV), candidato derrotado ao governo do estado nas últimas eleições, cobrou coerência do PT sobre a discussão da legalização do aborto. Ao comentar a mudança repentina de postura da candidata à presidência da República Dilma Rousseff (PT) em relação à questão, Bassuma lembrou da punição que sofreu do PT por se posicionar contra o aborto.

Em conversa com a reportagem do Bocão News, Bassuma ressaltou a falta de coerência do partido da estrela vermelha. “Saí do PT em 2009 depois de ser punido com um ano de suspensão por não concordar com a resolução que legalizava o aborto. Paguei caro por defender meus princípios e não me arrependo disso. Já a Dilma sempre foi a favor do aborto", observou o parlamentar.

Ele destacou, ainda, que Dilma chefiava a Casa Civil nas duas oportunidades em que o governo federal enviou projetos tratando da legalização do aborto ao Congresso. "Agora, da noite para o dia, ela muda de opinião. Creio que Dilma deveria ser levada ao Conselho de Ética da mesma forma que eu fui”.

O deputado federal é espírita, um dos motivos pela qual se posiciona contra a interrupção da gravidez.

Luiz Bassuma também falou sobre as razões pelas quais a ex-ministra foi forçada a mudar de opinião e fez um prognóstico sobre como o comportamento será interpretado pelos eleitores. “Acontece que nesta campanha a ética foi colocada de lado. O PT entrou no vale tudo eleitoral. Todo mundo pode mudar de opinião, mas não assim, num passe de mágica, sem uma explicação lógica. Creio até que eles foram pouco inteligentes. Não se pode mentir para o povo. Os eleitores não são burros. Se ela mudou de opinião em relação ao aborto, quem garante que ela não vai mudar de posição em relação a outros temas importantes?”, questiona.
Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar