Região Metropolitana

Camaçari: prefeito se reúne com permissionários após Justiça interditar feira

[Camaçari: prefeito se reúne com permissionários após Justiça interditar feira]
16 de Março de 2019 às 07:08 Por: Divulgação Por: Redação BNews0comentários

O prefeito de Camaçari, Antônio Elinaldo Araújo (DEM), se encontrou com cerca de 400 permissionários do Centro Comercial de Camaçari, na tarde desta sexta-feira (153), no Centro de Intermediação e Apoio ao Trabalhador (Ciat). Na pauta, estava a decisão da 1ª Vara da Fazenda de Camaçari, que determinou a interdição da feira a partir de 18 de março em virtude do não pagamento das despesas condominiais pelos permissionários.

Na ocasião, o gestor municipal tranquilizou a todos os presentes ao dizer que não vai medir esforços para recorrer a decisão judicial. “A Feira não vai fechar. Aqui é a minha segunda família e eu farei tudo que estiver ao meu alcance para resolver esta questão. Já estamos providenciando dois instrumentos que serão apresentados ao Ministério Público e nossa equipe jurídica está mobilizada para garantir que a Feira não amanheça fechada na segunda-feira”, explicou.

Proprietária de um boxe que comercializa bebidas, a permissionária Zilânia Nascimento, 36 anos, mãe de dois filhos (de 9 e 13 anos), falou da necessidade de trabalhar para levar o alimento para seus filhos. “Eu preciso trabalhar. É com o que eu consigo com a venda feita durante o dia que eu alimento os meus filhos. Tenho 100% de certeza que o prefeito vai nos ajudar. Eu preciso trabalhar”, declarou, confiante.

No início do governo do prefeito Elinaldo, em 2017, o centro comercial foi encontrado com práticas como a prostituição e o tráfico de drogas, além de infraestrutura em condições precárias, sem ordenamento dos permissionários, dentre outras questões. Em fevereiro do mesmo ano, a 1ª Vara da Fazenda Pública de Camaçari decidiu interditar o centro comercial até que as irregularidades apontadas pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA) fossem sanadas.

A administração municipal buscou a adequação do centro comercial exigida pelo MP-BA, e cumpriu com 90% das exigências determinadas pela Justiça, para garantir a continuidade do trabalho dos feirantes. A feira voltou a funcionar, porém a prefeitura foi obrigada a cobrar um preço público para custear as despesas com água, energia, condomínio, limpeza e vigilância.

Com ação em andamento desde 2015, o MP-BA ajuizou ações de improbidade administrativa para a imposição das sanções contra os ex-gestores da municipalidade estabelecidos na Lei 8429/1992, bem como para ressarcimento ao erário das tarifas públicas.

Ainda no encontro, o prefeito afirmou que na segunda-feira prestará mais esclarecimentos aos permissionários. No centro comercial, existem cerca de 1.500 permissionários e mais de 2 mil funcionários trabalhando nos estabelecimentos. Aproximadamente 10 mil consumidores circulam pelo local diariamente.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Leia os termos de uso

jusnews

Na Sombra do Poder

Eduardo Entrevista

Mais Lidas