Salvador

Baiana, publicitária e professora: conheça a dona da voz dos avisos sonoros do metrô de Salvador

[Baiana, publicitária e professora: conheça a dona da voz dos avisos sonoros do metrô de Salvador ]
28 de Setembro de 2018 às 10:54 Por: Arquivo Pessoal Por: Diego Vieira

“A faixa amarela é o limite para sua segurança, mantenha-se atrás da faixa até as portas se abrirem para o seu embarque”. Quem utiliza o metrô de Salvador com certeza costuma ouvir essa e outras frases com frequência. As mensagens sonoras ecoadas nos autofalantes das estações e dentro dos trens passaram a fazer parte do dia a dia dos quase 350 mil passageiros que circulam diariamente pelo sistema metroviário da capital baiana. No vai e vem do trajeto para o trabalho, escola ou casa, quem nunca se perguntou: quem é a dona dessa voz?

Natural da cidade de Feira de Santana, a publicitária, bailarina e professora de ioga, Adelena Rios, 40 anos, é a responsável por avisar sobre a chegada em uma determinada estação e emitir alertas de conscientização e segurança. 

“Essa história com o metrô começou com uma produtora do Rio de Janeiro. Na época eles estavam fazendo uma seleção de locutores do Nordeste para fazerem o teste e eu fui uma dessas pessoas. Depois de um tempo, eles me ligaram informando que fui a selecionada para ser a voz do metrô e foi assim que tudo começou”, contou a professora ao BNews.

Questionada sobre o interesse das pessoas em querer saber quem é a dona daquele timbre, Adelena diz que se sente feliz em provocar essa curiosidade nos passageiros. “Você sempre que pega aquele transporte, escuta aquela voz que cria uma identidade, então a pessoa está ali naquele momento de transição entre o ponto A e o ponto B e ela está escutando aquilo todos os dias. Eu acho bastante natural surgir essa curiosidade. É igual quando a gente via programas de televisão e só escutava a voz do locutor e ficávamos imaginando quem é essa pessoa”, disse.

Presente desde a fase de testes do transporte, em 2014, a voz de Adelena passou por algumas mudanças para se aproximar ainda mais dos passageiros. “Os primeiros áudios que eu gravei não tinha sotaque, como se fosse uma voz de qualquer lugar, sem identificação territorial imediata. No entanto, depois de um tempo a própria CCR entendeu que precisava trazer uma baianidade maior, uma identificação cultural com a cidade. Foi aí que comecei a carregar um pouco mais o sotaque”, explicou a professora que sempre é convocada para gravar novos avisos sempre que há modificações ou inauguração de uma nova estação.

“Às vezes eu gravo de uma vez só vários textos e as vezes eu gravo pequenos textos em determinados períodos do ano, depende muito da demanda do metrô. Toda vez que ele cresce e que ele precisa de novas mensagens”.

De acordo o gestor de Atendimento da CCR Metrô Bahia, Hamilton Trindade, Adelena é responsável por emitir mais de 150 frases aos passageiros do sistema. 

"A emissão das mensagens sonoras é uma forma de nos aproximarmos dos quase 350 mil passageiros que circulam diariamente pelo metrô com o objetivo de orientá-los sobre as regras e os cuidados durante o trajeto de trem, nas estações e nos terminais de ônibus administrados pela concessionária. São mais de 150 frases educativas com informações essenciais para se ter uma viagem segura e tranquila", explicou.

E ela não está apenas nas caixas de som dos vagões e estações do metrô. Quem já escutou àquelas gravações em chamadas telefônicas, muito provavelmente também já ouviu a voz de da professora. “Eu já gravei várias locuções, jingles, chamadas em espera. Já gravei para várias empresas de diferentes tipos de produtos, mas meio de transporte foi a primeira vez”, finalizou. 

Escute algumas das frases emitidas no metrô na voz de Adelena:

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar