Acidente

Santista que desistiu de ir em boate fala da tragédia que matou os amigos

Imagem Santista que desistiu de ir em boate fala da tragédia que matou os amigos

Vítimas contam como foi o incêndio na boate Kiss que matou 234 pessoas

Publicado em 28/01/2013, às 19h02        Redação Bocão News (twitter: @bocaonews)

Um estudante de Santos, no litoral de São Paulo, escapou por um acaso do incêndio que atingiu uma boate e matou 231 pessoas na madrugada deste domingo (27) em Santa Maria, no Rio Grande do Sul. O jovem, que é estudante de medicina veterinária, chegou a comprar o ingresso para a festa mas, na última hora, desistiu de ir para o local. Os dois amigos que iam com o estudante morreram na tragédia.
Gabriel Barros dos Santos mora no sul do Brasil há cerca de três anos. Ele foi para o Rio Grande do Sul para realizar o sonho de fazer o curso de medicina veterinária na Universidade Federal de Santa Maria. Em entrevista ao G1, o jovem contou como ficou sabendo da tragédia e como está a situação em Santa Maria.
O estudante diz que tinha planos de ir à boate na noite do incêndio, já que vários amigos e conhecidos iriam para a festa, mas acabou resolvendo não ir. “Eu acabei encomendando o convite e não indo na hora. Acabei desistindo e eles foram. De madrugada, os meus amigos começaram a me ligar e mandar mensagem dizendo que a balada estava pegando fogo”, disse ele. A notícia chegou por amigos que conseguiram sobreviver à tragédia. Seis amigos dele estavam na boate no momento do incêndio. Dois deles, que estudavam com o jovem, morreram por asfixia.
Os sobreviventes, que passam bem, contaram a ele o que passaram dentro da boate. “Pelo que eu conversei, eles não entenderam o que estava acontecendo no local”, disse. O estudante fala que os amigos contaram à ele que começaram a correr e algumas pessoas chegaram a cair em cima deles. Mesmo assim, os jovens conseguiram sair pela porta da frente da boate. Na correria, algumas pessoas ficaram com queimaduras e precisaram ser transferidas para Porto Alegre. Outros precisaram ficar no hospital e receber oxigênio por causa da fumaça que inalaram. Segundo Gabriel, seus amigos sobreviventes passam bem.
Ele também fala da reação que teve quando ficou sabendo da notícia. “No primeiro momento, eu pensei em ir lá, mas como estava tendo muito movimento e estava tudo fechado, interditado, eu só fui de manhã”, disse.
O incêndio na boate alterou a vida dos moradores e da cidade de Santa Maria. “A cidade pelo que a gente vê está chocada, está de luto. Ainda vemos ambulâncias nas ruas levando as pessoas, transferindo para outros lugares”, conta Gabriel. Nesta segunda-feira (28), Gabriel irá no enterro de seus dois amigos que morreram na tragédia em Santa Maria.
Incêndio
O incêndio começou por volta das 2h30 de domingo, durante a apresentação da banda Gurizada Fandangueira, que utilizou sinalizadores para uma espécie de show pirotécnico. Segundo relatos de testemunhas, faíscas de um equipamento conhecido como "sputnik" atingiram a espuma do isolamento acústico, no teto da boate, dando início ao fogo, que se espalhou pelo estabelecimento em poucos minutos.
O incêndio provocou pânico e muitas pessoas não conseguiram acessar a saída de emergência. A festa "Agromerados" reunia estudantes da Universidade Federal de Santa Maria, dos cursos de pedagogia, agronomia, medicina veterinária, zootecnia e dois cursos técnicos. Pelo menos 101 das vítimas identificadas eram estudantes da Universidade Federal de Santa Maria, segundo informou a instituição em sua página na internet.
O comandante do Corpo de Bombeiros da região central do Rio Grande do Sul, tenente-coronel Moisés da Silva Fuch, disse que o alvará de funcionamento da boate estava vencido desde agosto do ano passado.
"Fatalidade"
Por meio dos seus advogados, a boate Kiss se pronunciou sobre a tragédia. A direção do estabelecimento classificou o ocorrido como uma "fatalidade", afirmou que a empresa está em "situação regular" e à disposição das autoridades. A nota foi emitida pelo grupo de advogados associados Kümmel & Kümmel, que representa os proprietários da boate.

Classificação Indicativa: Livre