BNews Pet

Adotar um pet estimula a criança a praticar exercícios e ajuda no desenvolvimento socioemocional

Fábio Pozzebom/Agência Brasil

De acordo com a psicóloga e neuropsicóloga, Luciana Caldas, uma das maiores dificuldades dos pais tem sido ajustar a rotina de estudos com as aulas remotas

Publicado em 10/03/2021, às 13h09    Fábio Pozzebom/Agência Brasil    Adelia Felix

O isolamento social imposto pela pandemia de covid-19 provocou alterações no comportamento das nossas crianças. Sono alterado, emoções à flor da pele, fechamento das escolas, ensino a distância e o aumento da solidão nos pequenos ficam mais preocupantes quando eles passam a perder o contato social. 

De acordo com a psicóloga e neuropsicóloga, Luciana Caldas, uma das maiores dificuldades dos pais tem sido ajustar a rotina de estudos com as aulas remotas, além do isolamento, que restringe o contato social e mantém as crianças presas em casa. 

“A exposição excessiva aos eletrônicos também tem sido um grande desafio. Neste novo cenário, as crianças estão mais entediadas, irritadas, agressivas e ansiosas. Lidar com essas questões têm exigido dos pais uma nova organização da dinâmica familiar e a adoção de estratégias para minimizar os efeitos da pandemia”, explica.

Neste cenário, segundo a especialista, adotar ou comprar um animal de estimação pode ser uma boa alternativa, auxiliando em duas importantes áreas da vida criança. “Adotar um pet ajuda no aspecto físico, pois estimula a criança a praticar exercícios (levando o animalzinho para passear ou até mesmo nas brincadeiras), mas, principalmente, contribui para o desenvolvimento socioemocional”, afirma. 

Ela acrescenta ainda que o novo integrante da família vai auxiliar no relacionamento interpessoal a partir do desenvolvimento da sensibilidade e do cuidado com o outro. “Motiva para o cumprimento de regras de convivência, ajuda a criança a seguir a rotina e respeitar os horários, facilita a expressão de sentimentos, estimula a autonomia e responsabilidade, além de diminuir os níveis de estresse”, ressalta.

A psicóloga também afirma que um pet pode trazer benefício em qualquer idade da criança. “Desde as pequenininhas, que vão ter uma melhora da imunidade e de hábitos de socialização, até as mais velhas, que poderão desenvolver mais autonomia e responsabilidade”.

Mas, é preciso explicar aos filhos as responsabilidade deles com a chegada de um animal ao lar. “As crianças podem não entender sobre as obrigações que envolvem a adoção de um animal e devem ser orientadas a respeito. Elas precisam, ainda, de exemplos. Uma outra forma de ajudar as crianças a serem responsáveis é através da organização da rotina, que irá facilitar o cumprimento de atividades necessárias para a saúde e bem-estar do pet”, explica.

Confira cuidados importantes que devem ser tomados antes de adotar um animal:
- Certifique-se de que você tem condições financeiras de adotar um animal. É preciso levar em consideração que existirá um aumento nos gastos mensais com  alimentação, vacinas, medicamentos esporádicos, banho, tosa e outras responsabilidades;
- Adapte a sua rotina à do seu pet. Animais precisam da sua presença e dedicação;
- Separe um lugar da sua residência para ele. O animal precisa de espaço, principalmente, se ele for de porte médio e/ou grande. Se o espaço não permitir que o animal gaste sua energia, é provável que ele provoque alguns acidentes e estrague móveis, sapatos e objetos de decoração. Para alguns animais, as telas de proteção nas janelas serão necessárias.
- Faça exames dermatológicos e descubra se você tem alergia ao pelo do animal.

Adotar um animal muda completamente a vida de alguém. O amor que eles nos dão é tão grande que fica impossível retribuir à altura. Se você não tem condições de arcar com os custos do animal, não adote. 

Lembre: abandonar ou maltratar animais é crime previsto pela Lei Federal nº 9.605/98. Importante ressaltar que uma nova legislação, a Lei Federal nº 14.064/20, sancionada em setembro, aumentou a pena de detenção que era de até um ano para até cinco anos para quem cometer este crime.

Serviço
Luciana Caldas (Psicóloga e Neuropsicóloga - CRP 03-4960)
Telefone: (71) 98687-6466
Instagram: @psicologalucianacaldas

Classificação Indicativa: Livre