Cidades

Jacobina: após audiência, mineradora reafirma que não contaminou recursos hídricos do município 

Reprodução

Segundo o promotor Pablo Almeida, Jacobina Mineração e Comércio e órgãos públicos pediram mais prazo para apresentação de documentos requisitados pelo MP

Publicado em 02/10/2018, às 06h30    Reprodução    Adelia Felix

Os impactos ambientais da atividade de extração de ouro no município de Jacobina, no centro-norte da Bahia, especialmente as consequências das atividades mineradoras da Jacobina Mineração e Comércio Ltda. (JMC), controlada pela multinacional canadense Yamana Gold Inc., foram discutidos durante audiência pública promovida pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA). A reunião aconteceu no último dia 19.

Na oportunidade, o promotor de Justiça Pablo Almeida informou que o Instituto Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), a Empresa Baiana de Águas e Saneamento S.A. (Embasa), a Agência Nacional de Mineração, além da Jacobina Mineração e Comércio Ltda solicitaram mais prazo para apresentação dos documentos complementares requisitados pelo Ministério Público para instrução do Inquérito Civil, que não foram entregues até a audiência.

Por meio de nota enviada ao BNews, a assessoria da mineradora reafirmou que, “como apresentado na audiência pública, e de acordo com as conclusões das análises técnicas realizadas pelo Inema e Embasa, a empresa não contaminou a água da região e está convicta de que adota práticas ambientais eficientes, que são continuamente aperfeiçoadas, visando o desenvolvimento da atividade de mineração de forma ambientalmente responsável, com transparência, sempre buscando a interação com todas as partes interessadas e fortalecendo o desenvolvimento socioeconômico da região”.

A Jacobina Mineração também reafirma que “atua de acordo com as licenças ambientais exigidas e está em conformidade com certificações internacionais, como ISO 14001 (Sistemas de Gestão Ambiental) e Código Internacional de Cianeto, que atestam a sua gestão socioambiental”.

Leia a íntegra da nota:

"A Jacobina Mineração e Comércio Ltda. reafirma que, como apresentado na audiência pública, e de acordo com as conclusões das análises técnicas realizadas pelo INEMA e EMBASA, a empresa não contaminou a água da região e está convicta de que adota práticas ambientais eficientes, que são continuamente aperfeiçoadas, visando o desenvolvimento da atividade de mineração de forma ambientalmente responsável, com transparência, sempre buscando a interação com todas as partes interessadas e fortalecendo o desenvolvimento socioeconômico da região.

Reafirma, ainda, que atua de acordo com as licenças ambientais exigidas e está em conformidade com certificações internacionais, como ISO 14001 (Sistemas de Gestão Ambiental) e Código Internacional de Cianeto, que atestam a sua gestão socioambiental.

A Jacobina Mineração e Comércio Ltda. permanece sempre aberta ao diálogo construtivo com a sociedade."

Relacionadas
Jacobina: população consumiu água contaminada por mineradora, aponta MP-BA
Jacobina: investigada pelo MP, mineradora pede ampliação de prazo para entrega de documentos ao órgão

Classificação Indicativa: Livre