Na Sombra do Poder

Na Sombra do Poder: Vem aí o supersecretário

[Na Sombra do Poder: Vem aí o supersecretário]
11 de Outubro de 2018 às 00:00 Por: Editoria de Política0comentários

Vem aí o supersecretário

Passadas as eleições nas terras de todos os santos, começam os jogos do poder. O que se comenta é que no governo Rui Costa aparecerá um supersecretário, que comandará uma mega pasta. Tal estrutura seria o resultado da junção de uma empresa pública com uma secretaria considerada estratégica para o estado.

E agora, Araújo?

Qual o destino do deputado federal José Carlos Araújo, presidente do PR na Bahia? E o PR? Estes questionamentos passaram a circular nas rodas de política desde o último domingo (7), quando Araújo, assim como outros caciques baianos, não conseguiu renovar o mandato para a Câmara dos Deputados.

Olho aberto

Por falar em PR, o deputado federal José Rocha conseguiu se reeleger. Agora, os seus olhos não enxergam outra coisa senão o comando da Superintendência dos Desportos do estado da Bahia, a cotada Sudesb. 

Sacudida

Nos corredores do Palácio de Ondina, dizem fontes ouvidas por esta coluna, é dado como certo que o governador reeleito vai dar uma sacudida na árvore e algumas folhas não resistirão. A troca de comando deve passar por Embasa, Detran e Conder.

Alerta

No Detran, quem deve perder a indicação é o deputado federal Bacelar, cacique do Podemos no estado. O departamento é a noiva cobiçada por muitos. 

Menudo do baixo clero

Um famoso menudo ligado ao grupo de séquitos do prefeito ACM Neto, considerado do baixo clero dos amigos do cacique soteropolitano, anda pelos quatro cantos da cidade tentando cooptar apoio para um pseudo-candidato a presidente da Câmara de Salvador. Diz ele que faz suas andanças a pedido do gestor democrata. O fato irritou o prefeito. A Sombra já ficou sabendo que o moço levou um esporro do prefeito. Entre os mais próximos de Neto, o menudo é considerado um "mala". Se oriente, jovem.
 

Pesadelo

O prefeito ACM Neto tem um abacaxi para chamar de seu. E se chama Centro de Convenções de Salvador. Uma decisão da Justiça chegou a suspender a licitação após pedido de um consórcio que tem a MRM Construtora como integrante. A companhia tem como acionista o deputado Félix Mendonça Júnior (PDT), aliado de Rui Costa, que é, por sua vez, adversário político de Neto. De quebra, o pedetista ganhou um apoio de peso chamado Jaques Wagner, que passou a trabalhar no Judiciário baiano.

Quem é o pai?

Um parlamentar baiano que não conseguiu se reeleger vai ter mais uma audiência de instrução e julgamento em um processo judicial que enfrenta desde 2001. Ele é acusado de se recusar a reconhecer a paternidade de uma prole. A Justiça já mandou fazer exame de DNA, mas a ação se arrasta vagarosamente ao melhor estilo protelatório. O fim aparenta estar próximo. 

Janela aberta

Após a reeleicão com 101.945 votos, o deputado estadual Rosemberg Pinto (PT) passa a ver seu nome ganhar força para brigar pela Presidência da Assembleia Legislativa da Bahia (PT). Os comentários nos corredores da Casa é que dessa vez o PT terá ânimo para lutar pelo posto ocupado por Angelo Coronel (PSD), que deixa o cargo para sentar em uma cadeira no Senado. As más línguas dizem que se Otto Alencar não utilizar sua articulação de mestre, dessa o PT tem tudo para levar a melhor.  

“Só rindo”

Fora do páreo após os resultados das urnas, Lúcio Vieira Lima (MDB) foi um dos que apareceram abatidos nas redes sociais agradecendo a votação. No Instagram, o emedebista postou uma frase famosa em que demonstra se sentir o Rambo:

Comunista

No Brasil, foi-se o tempo em que a filiação a um partido ocorria por afinidade ideológica. E tem casos que chamam a atenção, como o do deputado eleito Dal. Empresário do ramo de postos de combustível, ele já disputou uma prefeitura no interior pelo DEM, agora chega à ALBA pelo Partido Comunista do Brasil (PCdoB).

Animação

A conquista de menos de 10 mil votos tem animado muito deputado eleito com vistas em 2020. Quem entra nessa lista é o socialista Marquinho Viana (PSB) com os seus 7.927 votos obtidos em Barra da Estiva, sua terra natal. Levando em conta que seu principal adversário, Nelson Leal (PP), teve somente 2.734, mesmo com o apoio do prefeito Joãozinho, ele e seu  grupo político já avaliam voos mais altos. 

Voo tucano

Mesmo cenário se vê quando o caso é o do deputado Marcell Moraes. O ex-verdista e agora tucano já afirmou que vai transferir seu título eleitoral para Vitória da Conquista com vistas à prefeitura local. Os dez mil votos por lá animaram o ambientalista.

Capital

Em Salvador, a disputa será acirrada e um dos devem colocar seu nome como alternativa para representar a base do governador Rui Costa é Sargento Isidório (Avante). No caso dele, não faltam votos para o cacifar se esse for o critério. Ele foi o deputado federal eleito mais votado na capital baiana, com 169.807 votos válidos. 

PSB em campo

Lídice da Mata, senadora do PSB que inicia em janeiro o mandato de deputada federal, também já deixou em aberto a possibilidade de disputar o Palácio Thomé de Souza, endereço que ela já frequentou. Ela foi terceira mais votada em Salvador com 46.006 votos. 

Pergunta I

No PT, quem também já se colocou para 2020 foi o eterno candidato petista Nelson Pelegrino. A pergunta é:  o PT vai realmente entrar na briga ou vai abrir mão do pleito abrindo espaço para um aliado? A votação expressiva do governador Rui Costa já foi declarada como condicionante para que um nome saia das hostes petistas.

Pergunta II

“Não vão me perguntar se sairei candidato a prefeito em 2020?”. Perguntou, em tom irônico, o senador eleito Jaques Wagner em coletiva convocada nesta semana. A provocação foi "aceita" pelos jornalistas e ele logo respondeu: "não vou". Indagado sobre um possível nome, deu a entender que figuras carimbadas do grupo não serão bem quistas. "Quanto mais caras novas, melhor". 

A maldição

Bira Coroa não conseguiu se reeleger. Ficou na suplência mais uma vez. Antes, se dizia que a pedra no sapato do petista era a correligionária Luiza Maia, que não disputou a ALBA neste pleito. Com a suposta rival fora do páreo, veio o diagnóstico: o rival de Bira Coroa é Luiz Caetano, deputado federal reeleito do PT que teria apoiado outros candidatos em Camaçari, reduto eleitoral do trio, em detrimento de Bira.

Imbróglio discursivo

O prefeito de Salvador e presidente nacional do DEM, ACM Neto, se enrolou em suas posições políticas ao longo deste pleito e corre o risco de ser chamado de incoerente. Depois de criticar o machismo de Jair Bolsonaro (PSL) e sugerir que o capitão reformado é incompetente, agora resolveu anunciar seu voto no presidenciável. O democrata afirma que não retira as críticas que fez, mas ressalta que Bolsonaro é o único que pode frear o PT. No mês passado, o gestor declarou que "Bolsonaro é um tiro no escuro". Imagina-se que já tenha acendido a luz.

Má fase

E a temporada para ACM Neto não foi das mais frutíferas. Grande parte dos seus candidatos nesta eleição fracassou: Zé Ronaldo (DEM), Jutahy Júnior (PSDB), Irmão Lázaro (PSC), Geraldo Alckmin (PSDB)... suas fichas agora estão apostadas em Bolsonaro presidente. 

Mudança

O prefeito soteropolitano, que passou boa parte do pleito cabisbaixo e, por vezes, arisco, estava mais à vontade nesta quarta-feira (10), quando anunciou seu voto para presidente no segundo turno.

Mais do mesmo

Zé Ronaldo, entretanto, que renunciou ao mandato de prefeito de Feira de Santana para disputar o governo da Bahia após Neto declinar do pleito, continua como dantes. O semblante de desânimo não mudou.

Desacerto

O vereador Palhinha (DEM) não perdeu, nesta semana, a oportunidade de mostrar sua irritação por seu partido ter apoiado Alckmin. Durante discurso na Câmara, logo após a eleição, disse em alto e bom som que todos sabiam que o povo não queria Geraldo Alckmin, mas "eles" apoiaram por uma “orientação partidária”.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Leia os termos de uso

jusnews

Na Sombra do Poder

Eduardo Entrevista

Mais Lidas