Coronavírus

Novo estudo confirma que máscaras mais eficazes são os modelos cirúrgicos e PFF2/N95

Orna Wachman por Pixabay

Modelos de tecido, mais usados no Brasil, que são feitos em casa, podem proteger de 15% a 70% na filtração de partículas de aerossol. A média de proteção é de 40%

Publicado em 04/05/2021, às 18h11    Orna Wachman por Pixabay    Redação BNews

Um novo estudo confirmou que as máscaras mais eficazes contra a Covid-19 são os modelos cirúrgicos e PFF2/N95, com uma eficiência de 90% a 98% na filtração de partículas de aerossol. Depois dessa, as máscaras de TNT aparecem com efetividade de 80% a 90%.

A pesquisa, publicada no Aerosol Science and Technology, foi coordenada pelo Instituto de Física da Universidade de São Paulo, que analisou a filtração de 227 modelos de máscaras que estão disponíveis no Brasil.

Segundo a Veja, os modelos de tecido, mais usados no Brasil, que são feitos em casa, podem proteger de 15% a 70% na filtração de partículas de aerossol. A média de proteção é de 40%.

O estudo mostra ainda que máscaras com costura protegem menos contra a Covid por causa dos furos no tecido que facilitam a saída das partículas de aerossol. O clipe nasal, que molda e fixa melhor a máscara ao rosto apresenta um grau maior de filtração, já que o equipamento se ajusta melhor no rosto do usuário.

    Classificação Indicativa: Livre