Justiça

Justiça acata denúncia do MPF e autoriza investigação sobre conta do presidente do Flamengo na Suíça

Reprodução/Rafael Wallace/ ALERJ

O juiz Frederico Botelho de Barros Viana acatou uma denúncia do Ministério Público Federal (MPF) na última quarta-feira (3) e tornou Rodolfo Landim ,e mais quatro, réus pelo crime de gestão fraudulenta. Eles são acusados de provocar prejuízos de R$ 100 milhões a fundos de pensão de funcionários de estatais

Publicado em 04/11/2021, às 08h43    Reprodução/Rafael Wallace/ ALERJ    Redação BNews

A 10ª Vara Federal de Brasília autorizou que uma cooperação jurídica internacional seja feita para viabilizar uma investigação referente à conta bancária que o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, tem na Suíça. 

As informações são do colunista Guilherme Amado, do site Metrópoles. Segundo a publicação, o juiz Frederico Botelho de Barros Viana acatou uma denúncia do Ministério Público Federal (MPF) na última quarta-feira (3) que tornou Landim, e mais quatro, réus pelo crime de gestão fraudulenta.

O MPF acusa o quinteto atuou em uma operação financeira que teria causado prejuízos de R$ 100 milhões a fundos de pensão de funcionários de estatais.O órgão destaca que autoridades suíças comunicaram suspeitas de lavagem de dinheiro realizada por meio de uma conta que era da titularidade de Landim, mantida entre 2008 e 2012, no banco Credit Suisse.

“A comunicação enviada por autoridades da Suíça traz consigo indícios de cometimento dos delitos de lavagem de dinheiro e de evasão de divisas, os quais devem ser melhor apurados”, diz a decisão. O colunista também informa que o juiz ainda determinou o bloqueio de parte do valor necessário para o ressarcimento dos prejuízos supostamente causados pelo presidente do Flamengo

Leia Também

Após se fantasiar de goleiro Bruno, tatuador vai responder na Justiça por apologia ao feminicídio

Deputados da base ignoram pedido de Rui Costa na votação da PEC dos Precatórios; veja a lista

Reforçando precedentes, STJ suspende participação de inadimplentes na eleição da OAB

Classificação Indicativa: Livre