Justiça

Eleições OAB-BA: Daniela Borges propõe criar comissão para avaliar Judiciário baiano

Divulgação

Candidata à presidência da Ordem concedeu entrevista à rádio Canabrava FM, de Ribeira do Pombal, na manhã desta quinta-feira (4)

Publicado em 04/11/2021, às 12h22    Divulgação    Redação BNews

Candidata à presidência da seccional baiana da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-BA), Daniela Borges reforçou críticas ao funcionamento do Judiciário no estado nesta quinta-feira (4) e afirmou que pretende criar, se for eleita, uma comissão para avaliar a produção quantitativa e qualitativa dos Tribunais. 

Borges opinou que o prejuízo com a falta de efetividade na prestação do serviço jurisdicional não é apenas da advocacia, mas de toda a sociedade. Para ela, as avaliações atualmente feitas sobre o funcionamento do Judiciário local não podem ser aceitas, pois não “correspondem à realidade”. 

“Por isso, vamos criar uma Comissão de Jurimetria, para que a produção do Judiciário possa ser avaliada de forma quantitativa e qualitativa, e desmitificar os dados atuais, que não representam a efetiva prestação do serviço”, afirmou em entrevista à rádio Canabrava FM, de Ribeira do Pombal, nesta manhã.

A candidata reiterou que a pandemia agravou a crise no Judiciário baiano, que, segundo ela, já sofria com a falta de estrutura, principalmente no que diz respeito a um número de servidores e magistrados.

“Esse é um problema que impacta muito também a advocacia do interior. Pretendemos também fiscalizar a atividade dos Tribunais e judicializar os problemas não solucionados administrativamente”, continuou.

Ela citou que, com os tribunais fechados, muitos advogados ficaram sem poder trabalhar. As consequências disso levaram sua chapa a propor o programa “SOS Advocacia”, para auxiliar membros da categoria impactados pela crise sanitária, possibilitando que eles possam retomar suas atividades e se recuperar das perdas financeiras . 

Por fim, durante a entrevista, Daniela ainda reforçou seu compromisso com a advocacia do interior. 

“Quando assumi o cargo de diretora-tesoureira na OAB da Bahia, na segunda gestão de Luiz Viana [2016-2018], fiquei à frente de um projeto focado na construção ou reforma de subseções, pois sabemos que a advocacia do interior precisa ter um espaço de representação e um lugar onde possa buscar apoio. Nós vamos intensificar essa presença no interior e reforçar o diálogo para atendermos às demandas locais. Nosso objetivo será sempre lutar por uma advocacia valorizada e respeitada em todo o estado”, concluiu. 

Leia Também

Candidata à presidência da OAB entra com ação popular pela reabertura do judiciário

OAB-BA: Ao fim do prazo para registro das candidaturas, quatro chapas disputam eleições; veja quais

Reforçando precedentes, STJ suspende participação de inadimplentes na eleição da OAB

Classificação Indicativa: Livre